Dólar termina o dia em alta ante o real

iStock
O dólar avançou 0,27%, a R$ 3,7400 na venda, depois de despencar 2,15% na última sessão.

O dólar terminou o dia de hoje (18) em alta ante o real, em meio a temores de guerra comercial entre Estados Unidos e China e de olho no quadro político doméstico, a poucos meses da eleição presidencial bastante indefinida.

LEIA MAIS: Dólar cai mais de 2% e volta ao patamar de R$ 3,73

O dólar avançou 0,27%, a R$ 3,7400 na venda, depois de despencar 2,15% na última sessão. Na máxima, a moeda foi a R$ 3,7662. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,2%.

“Essa nova elevação na tensão nas relações comerciais entre Estados Unidos e China aumenta a aversão ao risco nos mercados e pressiona o preço do petróleo no mercado internacional”, comentou a corretora Coinvalores, em relatório, ao citar as tarifas impostas pelos Estados Unidos à China e a retaliação de Pequim ao anúncio.

Na sexta-feira (15), o presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou tarifas de 25% sobre US$ 50 bilhões de importações chinesas, e prometeu mais se a China revidasse, o que aconteceu. Pequim anunciou tarifa adicional de 25% sobre 659 produtos dos Estados Unidos avaliados em US$ 50 bilhões.

No exterior, o dólar rondava a estabilidade ante uma cesta de moedas, e operava misto ante divisas de países emergentes, em alta ante o peso chileno e queda ante o peso mexicano.

VEJA TAMBÉM: Como fugir da alta do dólar em viagens para o exterior

A alta da moeda norte-americana também foi influenciada pela cena política local, após a notícia de que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, pediu ao presidente da 2ª Turma do STF, Ricardo Lewandowski, que coloque em pauta no dia 26 de junho novo pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso há mais de dois meses por crime de corrupção.

“De tarde o mercado começou a reavaliar isso. O STF já se decidiu pela prisão de Lula antes”, lembrou um gestor de derivativos de uma corretora nacional. “Mas estamos no Brasil, tudo tem exceção”, acrescentou.

A cena política tem deixado os mercados financeiros no Brasil bastante agitados. Com os pré-candidatos que os investidores consideram alinhados com reformas sem decolar nas pesquisas de intenção de voto, o mercado acredita que a eventual presença de Lula na disputa reduziria mais as chances de alguém com esse perfil.

“Mesmo que sua chance de disputa for negada, a liberdade de Lula pode tumultuar ainda mais o cenário político do país”, destacou a Advanced Corretora em relatório.

Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto nos cenários em que aparece como candidato, alega ser inocente e alvo de perseguição política. O ex-presidente quer disputar mais um mandato para o Palácio do Planalto, mas a Lei da Ficha Limpa deverá impedi-lo de concorrer.

A continuidade da atuação do Banco Central no mercado de câmbio nesta semana deve conter movimentos mais intensos de alta no dólar. O BC prometeu ofertar US$ 10 bilhões em swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares, nesta semana.

Nesta sessão, vendeu oferta de até 20 mil novos contratos de swap cambial tradicional, injetando US$ 1 bilhão dessa nova oferta de cerca de US$ 10 bilhões.

Na semana passada, o BC colocou US$ 24,5 bilhões em swaps para dar liquidez ao mercado e tentar conter o nervosismo dos agentes.

A autoridade também vendeu integralmente a oferta de até 8.800 swaps cambiais tradicionais para rolagem do vencimento de julho. Já rolou US$ 5,28 bilhões do total de US$ 8,762 bilhões que vence no mês que vem. Se mantiver e vender esse volume até o final do mês, fará rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).