Fujifilm processa Xerox em mais de US$ 1 bi

iStock
Em uma queixa apresentada ao Tribunal Distrital dos EUA em Manhattan, a Fujifilm acusou a Xerox de quebra de contrato e envolvimento em “conduta intencional e notória” ao abandonar a fusão de US$ 6,1 bilhões anunciada em janeiro

A Fujifilm processou a Xerox hoje (18) em mais de US$ 1 bilhão, culpando a empresa de impressoras e copiadoras de sucumbir à pressão dos investidores Carl Icahn e Darwin Deason para o cancelamento da proposta de fusão.

LEIA MAIS: Fujifilm pode abandonar acordo de US$ 6,1 bi com Xerox

Em uma queixa apresentada ao Tribunal Distrital dos EUA em Manhattan, a Fujifilm acusou a Xerox de quebra de contrato e envolvimento em “conduta intencional e notória” ao abandonar a fusão de US$ 6,1 bilhões anunciada em janeiro.

A negociação foi cancelada em 13 de maio, quando a Xerox, em um acordo com Icahn e Deason, concordou em instalar vários novos diretores e substituir Jeff Jacobson como presidente-executivo pelo antigo diretor de tecnologia John Visentin.

“A Xerox esteve recentemente sujeita aos caprichos dos investidores ativistas Carl Icahn e Darwin Deason, que, apesar de serem minoritários em ações da companhia, puxaram a diretoria em mais direções do que podem ser contadas”, disse a Fujifilm.

Os porta-vozes da Xerox não responderam de imediato aos pedidos de entrevista. Icahn e Deason também não responderam imediatamente.

A Xerox vem explorando opções estratégicas, incluindo transações com outras empresas, mas o processo poderia forçá-la a resolver as queixas da Fujifilm mais cedo.

VEJA TAMBÉM: Fujifilm vai processar Xerox por abandonar fusão

Uma fusão teria combinado a Xerox com a joint venture de 56 anos Fujifilm Xerox, na qual a Fujifilm e a Xerox detinham as respectivas participações de 75% e 25%.

A Fujifilm teria, a partir de então, propriedade de 50,1% das ações ordinárias da Xerox, e os acionistas desta, por sua vez, teriam recebido um dividendo especial de US$ 2,5 bilhões.

O bilionário Icahn e Deason detêm, juntos, 15% das ações da Xerox. Eles disseram que a fusão desvalorizou a empresa baseada em Norwalk, Connecticut. Deason também acusou Jacobson de organizar a fusão para manter seu emprego.

A Fujifilm esperava que a fusão gerasse pelo menos US$ 1,7 bilhão em economia de custos e US$ 1 bilhão em novas receitas anuais. O processo também busca taxa de rescisão de US$ 183 milhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).