Após subir mais de 1%, dólar fecha estável

iStock
O dólar avançou 0,09%, a R$ 3,8448 na venda, depois de marcar a máxima de R$ 3,8936 no dia

Depois de subir mais de 1% e encostar em R$ 3,90, o dólar perdeu força na reta final do pregão de hoje (19) e fechou praticamente estável com os investidores respirando mais aliviados após notícias de que o blocão, grupo de partidos de centro, estaria pendendo a apoiar o pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, nas eleições presidenciais de outubro.

LEIA MAIS: Dólar tem queda ante real e fecha a R$ 3,84

Após o fechamento do mercado à vista, às 17h00, o dólar futuro já era negociado em baixa de cerca de 0,40%.

O dólar avançou 0,09%, a R$ 3,8448 na venda, depois de marcar a máxima de R$ 3,8936 no dia.

“O apoio do centrão em síntese dá força para o Alckmin, embora seja preciso ver o quanto isso vai se refletir nas pesquisas”, afirmou o operador de câmbio da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado. “Alckmin é o que mais agrada ao mercado dentre as escolhas que temos”, acrescentou.

O ex-governador de São Paulo é visto pelo mercado como um político mais comprometido com o ajuste fiscal. O tucano e interlocutores próximos fizeram uma contraofensiva nos últimos dias para conter o avanço dos acertos do pedetista Ciro Gomes com o blocão e esse grupo de partidos pode até fechar uma aliança formal com Alckmin, afirmaram à Reuters fontes envolvidas diretamente nas negociações.

VEJA TAMBÉM: Fortuna de Bezos passa de US$ 151 bi e bate recorde

“Alckmin está na frente agora”, admitiu um presidente de um partido do blocão à Reuters, sob a condição do anonimato, ao ser questionado se a disputa estaria empatada.

Pela manhã, o dólar chegou a superar 1% de valorização ante o real ainda sob influência de declarações otimistas sobre a economia norte-americana do chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, que reforçaram as expectativas de investidores sobre a força do dólar a longo prazo e de aumento dos juros.

À tarde, no entanto, o dólar perdeu força após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizer que não estava “feliz” com a decisão do Fed de elevar a taxa de juros, já que esses aumentos podem colocar os EUA em “desvantagem” enquanto o banco central do Japão e o Banco Central Europeu (BCE) mantêm sua política monetária frouxa.

O Banco Central brasileiro ofertou e vendeu integralmente 14 mil swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando US$ 9,10 bilhões do total de US$ 14,023 bilhões dos contratos que vencem em agosto.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).