Carrefour Brasil manterá expansão acelerada no Atacadão

Reprodução/YouTube
Carrefour Brasil anunciou uma alta de 47% no lucro líquido do segundo trimestre

O Carrefour Brasil espera manter o crescimento mais acelerado das vendas em mesmas lojas da rede Atacadão, com um cenário inflacionário mais favorável a partir de julho dando impulso à receita no segundo semestre, disseram hoje (26) executivos da companhia.

VEJA TAMBÉM: Carrefour Brasil tem alta de 47% no lucro

“Vínhamos de um ambiente extremamente deflacionado, então esperamos que essa equalização nos ajudará e dará impulso em termos de receita e vendas mesmas lojas”, disse o presidente do Atacadão, Roberto Müssnich, em teleconferência com analistas sobre o balanço do segundo trimestre.

Na véspera, o Carrefour Brasil anunciou uma alta de 47% no lucro líquido do segundo trimestre, para R$ 440 milhões, apoiado principalmente na expansão das vendas do Atacadão e nos efeitos causados pela queda da dívida do grupo e dos juros da economia.

O Atacadão inaugurou 10 novas lojas no primeiro semestre e já iniciou obras para outras 10 a serem abertas até o fim de 2018, adicionando este ano um total de 120 mil metros quadrados à área de vendas e gerando mais de 5 mil novos postos de trabalho em todo o país, afirmou Müssnich.

O término do ciclo deflacionário também deve beneficiar as operações da divisão Carrefour Varejo nos próximos meses, assim como os esforços recentes para eficiência de custos, de acordo com o vice-presidente de finanças do grupo, Sébastien Durchon.

LEIA: Carrefour Brasil vê potencial para até 140 novas lojas

Ele ponderou, contudo, que os volumes e as margens do segmento só devem melhorar mais substancialmente no quarto trimestre, quando ajustes na sistemática de precificação de 23 dos 102 hipermercados do Carrefour no Brasil começarem a surtir efeitos positivos.

“Nesse movimento, no fim do dia eu baixo os preços, o que impacta negativamente o like-for-like (mesmas lojas) e baixa a margem… Fizemos isso para vender mais nas lojas e, aos poucos, veremos recuperação dos volumes, o que vai financiar o investimento feito no início”, explicou Durchon.

Segundo ele, esse reposicionamento em termos de preço ainda está sendo viabilizado pela negociação com fornecedores e inclui mudanças no sortimento de mercadorias, bem como um foco maior em marcas próprias. “Enxergamos mais competição nos hipermercados que no atacarejo e, justamente por isso, fizemos esse movimento”, acrescentou o vice-presidente de finanças.

Na terça-feira (24), o rival GPA divulgou lucro líquido de R$ 526 milhões entre abril e junho, com forte evolução na receita do atacarejo e aceleração de vendas em todas as marcas da divisão de multivarejo, que reúne os super e hipermercados do grupo.

Questionado sobre o comportamento do consumidor no país, Durchon disse não esperar grandes mudanças este ano. “Nessa altura, não se vê consumo muito maior do que no ano passado e não enxergamos melhora muito forte nos próximos meses”, disse.

E MAIS: Carrefour Brasil investirá R$ 1,8 bi em 2018

Às 13h37, as ações do Carrefour Brasil, que não compõem o Ibovespa, subiam 2,2%, a R$ 15,42. Em 2018, os papéis acumulam alta de quase 2%, enquanto os do rival GPA sobem quase 6% desde o começo do ano.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).