Crescimento baixo derruba ações da Netflix

Getty Images
Queda foi resultado de temores de que a expansão da empresa esteja desacelerando

O crescimento do número de assinantes da Netflix ficou abaixo das expectativas de Wall Street, o que fez as ações da companhia despencarem 14% por temores de que a expansão da empresa esteja desacelerando.

VEJA TAMBÉM: Conheça o algoritmo por trás do sucesso da Netflix

A companhia adicionou 5,2 milhões de usuários de abril à junho, 1 milhão a menos do que as previsões de analistas apuradas pela Thomson Reuters I/B/E/S. O crescimento abaixo do esperado ocorreu apesar de a Netflix ter adicionado novo conteúdo como “Lost in Space” e novos episódios da série da Marvel, “Jessica Jones” e de “13 Reasons Why”.

“Nós tivemos um segundo trimestre forte, mas não estrelar”, disse a Netflix em carta trimestral aos acionistas.

A Netflix disse que “superestimou” as flutuações trimestrais no ritmo de novos clientes. A empresa destacou que subestimou os assinantes por sete dos últimos 10 trimestres.

Antes do relatório de resultados, as ações da Netflix estavam subindo e tendo a segunda melhor performance no índice S&P 500. Em negociações pós-fechamento ontem (16), as ações da Netflix recuaram 14%, para US$ 343,60, perdendo US$ 24,2 bilhões de valor de mercado.

“Os investidores estão devastados pela projeção do segundo trimestre da Netflix. Agora as projeções futuras são suspeitas e isso dizima o valor da empresa”, disse Eric Shiffer, presidente-executivo da Patriarch.

LEIA: Cofundador da Netflix já está US$ 1,4 bilhão mais rico em 2018

A Netflix acrescentou 670 mil assinantes nos Estados Unidos, bem abaixo das estimativas de analistas de 1,19 milhão, de acordo com o Thomson Reuters I/B/E/S. A empresa ganhou 4,47 milhões de novos assinantes internacionalmente, enquanto os analistas esperavam 4,97 milhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).