Dólar sobe e vai acima de R$ 3,93

iStock
Ainda no exterior, os mercados também estavam atentos à guerra comercial e ao prazo de sexta-feira

O dólar fechou em alta hoje (5), no maior patamar em mais de dois anos e a caminho da casa de R$ 3,95, com o foco na cena externa em dia de divulgação da ata do Federal Reserve, banco central norte-americano, pela qual foi reforçada a percepção de mais elevações nos juros neste ano.

LEIA MAIS: Embraer e Boeing assinam memorando de entendimento

Com o avanço, os investidores também acreditavam que o Banco Central brasileiro deve voltar a atuar com mais força no mercado de câmbio.

O dólar avançou 0,55%, a R$ 3,9344 na venda, maior nível de fechamento desde 1º de março de 2016 (R$ 3,9411), e depois de ir a R$ 3,9416 na máxima deste pregão. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,50% no final da tarde.

“O Fed colocou que os riscos se intensificaram para a economia dos EUA mas, em princípio, continuará subindo os juros“, afirmou o diretor da consultoria Wagner Investimentos, José Faria Júnior.

Os banqueiros centrais dos Estados Unidos discutiram se há uma recessão próxima e expressaram preocupações de que as tensões no comércio global poderiam atingir a economia norte-americana que, pela maioria dos indicadores, parecia forte, mostrou a ata da reunião realizada em 12 e 13 de junho, divulgada nesta tarde.

VEJA TAMBÉM: Assaí investe em tecnologia para modernizar lojas, testa caixa automatizado

No encontro passado, o Fed elevou as taxas de juros pela segunda vez este ano. De modo geral, a expectativa é de que os juros sejam elevados mais duas vezes neste ano. E taxas mais elevadas tendem a atrair à maior economia do mundo recursos aplicados hoje em outras praças financeiras, como a brasileira.

“O mercado tende a ser defensivo”, afirmou Faria Jr., lembrando que amanhã (6) serão divulgados mais dados sobre mercado de trabalho dos Estados Unidos, conhecidos como “payroll”, o que também será importante para os investidores calibrem suas apostas sobre juros.

Ainda no exterior, os mercados também estavam atentos à guerra comercial e ao prazo de sexta-feira, quando os Estados Unidos devem adotar taxas sobre produtos chineses, o que deve gerar retaliações da China como resposta.

O dólar recuava cerca de 0,20% contra uma cesta de moedas, mas ganhava terreno sobre algumas moedas de países emergentes, como o peso chileno.

E AINDA: São Paulo tem a segunda maior média no GMAT

O Banco Central brasileiro ofertou e vendeu integralmente 14 mil swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, para rolagem dos contratos que vencem em agosto, no total de US$ 14,023 bilhões.

Com isso, rolou o equivalente a US$ 2,8 bilhões do total que vence no próximo mês. Como tem feito recentemente, o BC não anunciou intervenção extraordinária no mercado de câmbio para este pregão, mas já havia especulações de que pode voltar a qualquer momento devido à alta cotação da moeda norte-americana.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).