Dólar despenca e fecha a R$ 3,77

iStock
Esta é a maior queda semanal em cinco meses

O dólar despencou hoje (20) e foi abaixo de R$ 3,80, com os investidores respirando mais aliviados diante da cena eleitoral doméstica e sob influência do exterior.

LEIA MAIS: Após subir mais de 1%, dólar fecha estável

O dólar recuou 1,84%, a R$ 3,7739 na venda, acumulando retração de 2% na semana, a maior desde meados de fevereiro passado (queda de 2,45%).

Foi ainda a terceira semana consecutiva de baixa, período no qual acumulou perda de 2,67%. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 1,50% no final da tarde.

Na mínima desta sessão, o dólar bateu em R$ 3,7586, com mais de 2% de baixa, após notícias de que líderes dos partidos do blocão, grupo formado por DEM, PP, PRB, PR e Solidariedade, decidiram fechar apoio ao pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, mas a formalização do apoio depende ainda do “dever de casa” a ser feito pelas partes. Se concretizado, o apoio garante ao tucano bom espaço nas propagandas na TV.

Alckmin é visto pelo mercado financeiro como um político mais comprometido com os ajustes fiscais. Até então, as notícias indicavam que o blocão estava pendendo para Ciro Gomes, pré-candidato do PDT nas eleições de outubro.

“O apoio não significa vitória de Alckmin, nem muda de imediato seu desempenho, mas traz uma perspectiva mais animadora ao investidor e aos mercados”, afirmou o operador de câmbio da Advanced Corretora Alessandro Faganello.

VEJA TAMBÉM: Apple Watch pode ser afetado por novas tarifas dos EUA

A notícia do apoio a Alckmin acabou levando muitos investidores que estavam comprados em dólar (apostas na valorização da moeda norte-americana) a zerarem posições, o que fez a moeda bater a mínima do dia ainda pela manhã. Mas a cautela não foi totalmente deixada de lado.

“Entre a eleição e a Presidência tem um cara que é o eleitor”, afirmou o gestor de uma corretora estrangeira. “Se o acordo tiver efeito prático [resultar em intenção de votos], o mercado pode melhorar muito”, acrescentou.

O recuo do dólar ante outras moedas no mercado internacional foi outro fator que contribuiu para a trajetória doméstica. A divisa norte-americana tinha forte baixa ante uma cesta de moedas depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressar preocupação com uma moeda mais forte.

O dólar também caía ante moedas de países emergentes, como o peso chileno.

O Banco Central brasileiro ofertou e vendeu integralmente 14 mil swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando US$ 9,8 bilhões do total de US$ 14,023 bilhões dos contratos que vencem em agosto.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).