Dólar fecha em queda após bater R$ 3,95

iStock
O dólar recuou 1,67%, a R$ 3,8687 na venda

O dólar fechou hoje (6) em baixa ante o real, em um movimento de correção e com fluxo pontual de venda depois de superar o patamar de R$ 3,95 durante o pregão, com o foco na cena externa e com os investidores cautelosos sobre se o Banco Central brasileiro voltará a atuar no mercado ou se continuará de fora, como nos últimos dias.

VEJA TAMBÉM: Dólar sobe e vai acima de R$ 3,93

O dia foi marcado por baixo volume de negócios por conta do jogo da seleção do Brasil contra a Bélgica durante a tarde, o que deixou os investidores afastados das mesas de operação e intensificando os movimentos das cotações.

O dólar recuou 1,67%, a R$ 3,8687 na venda, depois de ter fechado o pregão passado no maior nível desde 1º de março de 2016, a R$ 3,9344. Na semana, acumulou queda de 0,22%.

“A moeda norte-americana continua se valorizando fortemente contra o real, mostrando que o mercado vem testando a autoridade monetária”, escreveu a Rico Investimentos em relatório.

O presidente do BC, Ilan Goldfajn, reforçou ontem (5), em entrevista à “GloboNews”, que não pautará a atuação no câmbio por mudanças de preço, buscando apenas dar tranquilidade ao mercado quando avaliar a ocorrência de falta de liquidez ou “sensação de pânico”.

O BC não tem feito intervenções extraordinárias no mercado por meio de leilões de novos swaps cambiais – equivalentes à venda futura de dólares – desde a semana passada. Tem feito apenas as vendas desses contratos para rolagem dos vencimentos futuros, como nesta sessão.

LEIA: Dólar tem leve alta frente o real com volume reduzido de negócios

Ofertou e vendeu integralmente 14 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em agosto, no total de US$ 14,023 bilhões.

Com isso, rolou o equivalente a US$ 3,5 bilhões do total que vence no próximo mês.

No exterior, o dólar recuava cerca de 0,55% frente ao uma cesta de moedas e algumas divisas de países emergentes, após a divulgação de que a criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos em junho foi maior do que o esperado. Entretanto, o aumento salarial estável indica pressão inflacionária moderada que deve manter o banco central do país na trajetória de aumento gradual da taxa de juros.

O Federal Reserve elevou a taxa de juros dos EUA duas vezes este ano e, de modo geral, a expectativa é de que os juros sejam elevados mais duas vezes neste ano.

Taxas mais elevadas tendem a atrair à maior economia do mundo recursos aplicados hoje em outras praças financeiras, como a brasileira.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).