Ericsson tem inesperado lucro no 2º tri

iStock
Redução de custos economizou mais de US$ 1 bi no período

A fabricante sueca de equipamentos de telefonia celular Ericsson divulgou um inesperado lucro operacional, dizendo que o resultado foi impulsionado pela crescente força de vendas na América do Norte, que lhe deu confiança em atingir metas financeiras de longo prazo.

LEIA MAIS: Ericsson dobra previsão de conexões com IoT

A empresa informou hoje (18) que concluiu um programa anual de redução de custos, economizando mais de 10 bilhões de coroas (cerca de US$ 1,1 bilhão), o que se refletirá cada vez mais em seus lucros.

“Temos boa tração no mercado de redes, com um crescimento de vendas de 2%, particularmente na América do Norte, onde todas as principais operadoras estão se preparando para o 5G”, disse o presidente-executivo, Borje Ekholm, em comunicado.

A fabricante sueca de equipamentos para telecomunicações móveis enfrentou a desaceleração de toda a indústria e acumulou perdas ao estabelecer uma nova estratégia para concentrar-se na rentabilidade sobre o crescimento, trocando a maior parte de sua administração e fazendo cortes de custos abrangentes.

Marcando seu segundo trimestre consecutivo de progresso substancial para atingir suas metas financeiras de 2020, a empresa registrou um lucro operacional de 200 milhões de coroas (US$ 22,6 milhões), em comparação com uma perda de 500 milhões de coroas (US$ 56,3 milhões) de um ano atrás. Analistas estavam prevendo, em média, uma perda de 100 milhões de coroas (US$ 11,2 milhões) em uma pesquisa da Reuters.

VEJA TAMBÉM: Gigantes selam acordo por IoT no agronegócio

A empresa prometeu entregar uma margem bruta de 37% a 39% e uma margem operacional de 10% até 2020. A margem bruta do segundo trimestre, excluindo custos de reestruturação, foi de 36,7%, contra 35,9% no primeiro trimestre.

A Ericsson, que já foi a maior fornecedora de equipamentos de comunicações móveis do mundo, está enfrentando queda nos gastos das operadoras de telecomunicações, fraqueza nos mercados emergentes anteriormente em rápido crescimento e forte concorrência de empresas maiores de equipamentos de telecomunicações da China e da finlandesa Nokia.

As ações da Ericsson subiram cerca de 25% até agora este ano, impulsionadas pelo progresso que está mostrando para atingir suas metas financeiras para 2020, depois de três anos de queda acentuada nas receitas.

Aumentando o otimismo do investidor estão as expectativas de que a Ericsson esteja à beira de um novo ciclo de atualizações de rede, já que a demanda por equipamentos de próxima geração 5G entrará em ação no final deste ano ou início de 2019, começando nos Estados Unidos.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).