TIM tem alta de 53% no lucro do 2º tri

Getty Images
Operadora também anunciou a troca de comando

O lucro líquido da TIM subiu 53,2% no segundo trimestre na comparação anual, para R$ 335 milhões, com crescimento da receita de todas as fontes e aumento dos custos abaixo da inflação, informou a empresa na noite de ontem (19).

VEJA TAMBÉM: De Angelis deixa comando da TIM Participações

A operadora também anunciou a troca de comando, com a renúncia de presidente-executivo Stefano de Angelis depois do vencimento de seu contrato de dois anos, e a eleição de Sami Foguel para o cargo. Angelis continuará como membro do conselho de administração. Antes de assumir a TIM em 23 de julho, Foguel foi executivo na companhia aérea Azul.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado subiu 12,7% na comparação anual, para R$ 1,567 bilhão no segundo trimestre, chegando ao quinto trimestre de crescimento de dois dígitos, disse a empresa. A margem Ebitda ajustada subiu 2,3%, para 37,6%.

A receita líquida cresceu 5,8% na comparação anual, para R$ 4,17 bilhões, no trimestre encerrado em junho, com contribuição positiva de todas as fontes de receitas: serviço móvel, serviço fixo e produtos, que há 12 trimestres vinha apresentando queda, e no segundo trimestre cresceu 7,5% por conta do aumento do preço médio de venda.

A empresa destacou que a receita líquida de serviços cresceu 5,7%, mantendo ritmo similar ao primeiro trimestre deste ano, “mesmo demonstrando algum impacto devido a uma recuperação macroeconômica mais frágil e eventos extraordinários como a greve dos caminhoneiros e os jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo”.

Os custos e despesas ajustados subiram 2,1%, menos do que a inflação no período de um ano, em resultado auxiliado pelo “plano de eficiência que totalizou 86% da meta para todo o ano” nos primeiros seis meses.

LEIA: TIM Participações renova uso da marca até 2020

As provisões para calotes de clientes avançaram 56% no trimestre. A empresa disse que o aumento da base de receita exposta à inadimplência, juntamente com o crescimento da base pós-paga de 20,5%, levam a uma tendência natural de expansão das provisões.

A TIM investiu um total de R$ 1,018 bilhão no segundo trimestre, 25,8% acima do registrado no mesmo período do ano passado, com a maior parte dos investimentos destinados à infraestrutura (85%), principalmente a projetos de rede transporte, tecnologia 4G e TI.

A dívida líquida da empresa caiu R$ 1,17 bilhão em relação a junho do ano passado, para R$ 3,23 bilhões em junho deste ano, levando a relação dívida/Ebitda a recuar para 0,51 vez, ante 0,8 vez no segundo trimestre de 2017.

O fluxo de caixa operacional livre no trimestre foi de R$ 6 milhões, R$ 359 milhões a menos do que o registrado um ano antes.

A TIM também anunciou a distribuição de R$ 240 milhões a título de juros sobre capital próprio, tendo como base o exercício encerrado em 30 de junho. O pagamento será feito a partir de 13 de novembro, com base na posição dos acionistas no dia 25 de julho.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).