BrMalls mais que dobra lucro ajustado no 2º tri

iStock
O lucro líquido ajustado da brMalls no segundo trimestre foi de R$ 126,5 milhões

A administradora de shopping centers brMalls mais que dobrou o lucro líquido ajustado do segundo trimestre para R$ 126,5 milhões, refletindo principalmente melhora forte no resultado financeiro e controle de inadimplência de lojistas.

LEIA MAIS: BR Malls vê 2º trimestre mais desafiador para vendas

O desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado da brMalls cresceu 5,6% ano a ano, para R$ 222,7 milhões. Já margem Ebitda ajustada subiu 8,6 pontos percentuais, para 73,6%, impulsionada pela queda de 64,1% na provisão de perdas com inadimplência.

Entre abril e junho, os lojistas da brMalls venderam R$ 4,77 bilhões, 10,2% menos ante o mesmo intervalo de 2017, quando o varejo como um todo foi beneficiado pelos saques de contas inativas do FGTS.

Entre outros fatores que pesaram sobre as vendas, o balanço da companhia cita ainda a Páscoa, que este ano caiu no primeiro trimestre, e também a greve dos caminhoneiros e a Copa do Mundo de futebol.

No conceito mesmas lojas, as vendas recuaram 1,3% e o aluguel recuou 1,1% em relação ao segundo trimestre de 2017. O recuo no indicador também foi reportado pelas rivais Multiplan e Iguatemi, também impactadas pela greve dos caminhoneiros e efeito da Copa do Mundo que esvaziou shoppings no período.

Com isso, a receita líquida da brMalls encolheu 6,8% na mesma base comparativa, para R$ 302,58 milhões. Ao mesmo tempo, contudo, as despesas com vendas, gerais e administrativas foram reduzidas em 39,3% no período.

VEJA TAMBÉM: BR Malls vende fatia de 50% no Natal Shopping por R$ 166 mi

A taxa de ocupação média mensal subiu a 96,1% no trimestre encerrado em junho, de 94,7% um ano atrás, mas o custo de ocupação foi mantido em 11,2% das vendas.

O resultado financeiro líquido da brMalls veio negativo em R$ 57,8 milhões, marcando uma melhora ante os R$ 108,3 milhões negativos apurados no segundo trimestre de 2017 graças à redução de 19,5% nas despesas com empréstimos e financiamentos.

A companhia acumulava ao fim de junho uma dívida líquida de R$ 1,589 bilhão, o que representa uma queda de quase 35% ano a ano. Com isso, a alavancagem medida pela relação dívida líquida sobre Ebitda estava em 1,8 vez, ante 2,9 vezes um ano atrás e 1,5 vezes em março de 2018.

A brMalls elevou em 75,8% os investimentos no segundo trimestre, para R$ 102,8 milhões, destinando os recursos a expansões, revitalizações, novos projetos e tecnologia da informação. A empresa anunciou junto com o balanço que acertou parceria com a desenvolvedora de startups de tecnologia Cubo, do Itaú Unibanco.

E TAMBÉM: BR Malls confirma tratativas para venda de três shopping centers

Em 2018, as ações da companhia acumulam baixa de quase 24%.

Mais cedo, a companhia anunciou que o presidente do conselho de administração, Claudio Bruni, renunciou e será substituído interinamente pelo vice-presidente, José Afonso Castanheira.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).