Chefe de operações da TIM deve deixar a operadora

Reprodução/TWITTER
A provável saída de Pietro Labriola vai se seguir à troca do presidente do conselho de administração Mario Cesar Pereira de Araújo, em março, e do presidente-executivo Stefano de Angelis, em julho

O vice-presidente de operações da TIM vai deixar a companhia nos próximos meses como parte de uma reestruturação na administração da operadora de telecomunicações, afirmaram hoje (9) duas fontes com conhecimento do assunto.

LEIA MAIS: TIM tem alta de 53% no lucro do 2º tri

A provável saída de Pietro Labriola vai se seguir à troca do presidente do conselho de administração Mario Cesar Pereira de Araújo, em março, e do presidente-executivo Stefano de Angelis, em julho.

A mudança também ocorre enquanto Amos Genish, presidente-executivo da controladora da TIM, Telecom Italia, assume uma postura mais participativa sobre as operações da subsidiária brasileira, escolhendo aliados de longa data.

Representantes da TIM não comentaram o assunto. Uma das fontes afirmou que Labriola deve deixar a empresa em setembro.

Entre as medidas adotadas por Genish desde que assumiu o comando da Telecom Italia, em setembro passado, está a contratação de um ex-executivo da operadora GVT para uma posição executiva na TIM em fevereiro.

Em março, Genish substituiu Araújo por João Cox Neto, conhecido no mercado de telecomunicações brasileiro e de quem ele é próximo no Brasil. A medida criou especulação na TIM de que Genish está buscando instalar aliados de longa data que compartilham sua visão sobre os rumos da subsidiária, que inclui uma agressiva expansão de serviços de fibra óptica e disciplina austera de custos.

Com a saída de Labriola, Genish pode ter outra oportunidade de trazer mais um nome de sua confiança na TIM.

Analistas, em geral, têm aprovado a postura de Genish sobre as operações do grupo no Brasil. Entretanto, a saída de um vice-presidente de operações pouco depois da troca de um presidente-executivo, um presidente de conselho e outros membros pode criar preocupações sobre a suavidade da transição.

Isso é especialmente válido uma vez que Labriola tinha papel ativo nos assuntos do dia a dia da TIM e em questões estratégicas, disse uma das fontes.

“Não é positivo que ambos estejam saindo, vai gerar ruído, e tornar a transição mais difícil”, disse um analista de um grande banco que pediu para não ser identificado.

O analista acrescentou que, entretanto, os investidores provavelmente vão ter uma posição favorável sobre Genish ter um papel na escolha de um novo vice-presidente de operações, o que deve minimizar o impacto da saída de Labriola.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).