Dólar termina dia no maior nível em mais de um mês

iStock
A lira turca registrou novamente forte baixa frente ao dólar neste pregão

O dólar fechou com alta firme e terminou no maior nível em mais de um mês, perto dos R$ 3,90, com a situação da Turquia mantendo a aversão ao risco nos mercados globais, em especial nos de países emergentes.

LEIA MAIS: Moody’s vê condições melhores para empresas brasileiras

O dólar avançou 0,86%, a R$ 3,8973 na venda, maior preço desde os R$ 3,9344 de 5 de julho. Na sexta-feira (10), a moeda já havia subido 1,59%.

Na máxima de hoje (13), a moeda foi a R$ 3,9297, e, na mínima, a R$ 3,8782. O dólar futuro avançava cerca de 1,1%.

“A preocupação se refere à exposição de bancos da zona do euro aos títulos turcos. Isso mesmo com o banco central turco estabelecendo medidas emergenciais”, afirmou, em relatório, o economista-chefe do Home Broker ModalMais, Alvaro Bandeira.

A lira turca registrou novamente forte baixa frente ao dólar neste pregão, já tendo recuado mais de 40% neste ano, devido às preocupações com a influência do presidente turco, Tayyip Erdogan, sobre a economia, suas repetidas solicitações por taxas de juros mais baixas e o agravamento dos laços com os Estados Unidos.

Nesta segunda-feira o banco central turco diminuiu as taxas de depósitos compulsórios para os bancos, além de se comprometer em fornecer liquidez necessária para que eles tomem todas as medidas necessárias para manter a estabilidade financeira, mas o mercado seguia nervoso.

VEJA TAMBÉM: Dólar salta 1,6% e fecha a R$ 3,86

“Os investidores se preocupam com o eventual risco sistêmico, que pode deflagrar o contágio e uma consequente crise financeira”, escreveu o Banco Confidence em relatório.

O temor de que a crise turca pudesse se espalhar pelos países emergentes fez com que o dólar subisse frente às moedas desses países, com destaque para o rand sul-africano e o peso mexicano.

O peso argentino também despencou ante o dólar, influenciado não só pela situação da Turquia como também por denúncias de corrupção envolvendo políticos e empresários, o que obrigou o Banco Central do país a elevar os juros a 45% nesta sessão, contra 40% de antes.

“Não esperamos que a alta dos juros da Argentina seja o começo de uma série de aumentos de taxas dos bancos centrais de emergentes. A Argentina é um dos poucos emergentes que compartilham vulnerabilidades semelhantes à Turquia”, escreveu o economista para mercados emergentes da empresa de pesquisas macroeconômicas Capital Economics, Edward Glossop, em relatório.

Em relação ao real, houve ajuste de posições depois que a moeda norte-americana bateu a máxima do dia, com alguns investidores vendendo e levando a divisa para a mínima, mas o movimento foi curto e logo ganhou tração novamente com a notícia da alta dos juros na Argentina.

E AINDA: B3 tem alta de 80% no lucro recorrente do 2º tri

Fonte do Ministério da Fazenda informou à Reuters hoje que o Brasil está pronto para atuar nos mercados financeiros em caso de excesso de volatilidade em razão da situação turca.

Com a agenda doméstica esvaziada, os investidores mantiveram o foco na cena eleitoral doméstica, em uma semana em que os candidatos à Presidência têm de registrar suas candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Banco Central brasileiro ofertou e vendeu integralmente 4,8 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando US$ 2,16 bilhões do total de US$ 5,255 bilhões que vence em setembro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

“Não acredito que o Banco Central vá intervir no câmbio por meio de novos leilões de swap. Trata-se de um movimento global, não uma ação isolada e sem volume”, justificou o diretor de operações da Mirae, Pablo Spyer, ao comentar a alta do dólar de R$ 3,75 no começo de agosto para R$ 3,91 nesta sessão.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).