Greve dos caminhoneiros pressiona CCR no 2º tri

iStock
Em termos ajustados, sem a inclusão de novos negócios e efeitos não recorrentes, o lucro somou R$ 300,9 milhões, retração de 5,2% ano a ano.

A greve dos caminhoneiros de maio no Brasil fez o lucro da CCR encolher mais do que a metade no segundo trimestre, em meio à queda no tráfego das rodovias administradas pela empresa e aos efeitos subsequentes da isenção da cobrança de eixos suspensos.

LEIA MAIS: Greve dos caminhoneiros afeta números do trimestre

A operadora de concessões de infraestrutura, incluindo rodovias, aeroportos e estruturas de mobilidade urbana, anunciou hoje (14) que seu lucro líquido no período somou R$ 277,7 milhões, queda de 58,4% contra um ano antes.

Em termos ajustados, sem a inclusão de novos negócios e efeitos não recorrentes, o lucro somou R$ 300,9 milhões, retração de 5,2% ano a ano.

No segundo trimestre do ano passado, o resultado da empresa tinha sido fortemente fortalecido por receitas extras após a compra de participações nas concessionárias ViaQuatro e ViaRio.

Mesmo com a queda de 5,5% do tráfego das rodovias de abril a junho, a receita líquida da CCR teve alta anual de 1,7%. No entanto, o resultado operacional da companhia no período medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 1,07 bilhão, declínio de 34,3% contra um ano antes.

Ajustando por efeitos extraordinários, o Ebitda cresceu 1%, para R$ 1,09 bilhão. A margem Ebitda nesta medição diminuiu 0,4%, para 58,3%.

Segundo o gerente de relações com investidores da CCR, Marcus Macedo, só a isenção da cobrança de eixo suspenso de caminhões vazios, na virada de maio para junho, reduziu a receita da companhia em R$ 25,9 milhões no trimestre.

De acordo com o executivo, a compensação desses valores está sendo negociada com governos donos das concessões das rodovias para as quais a isenção foi decidida, por isso ainda esses valores não foram contabilizados.

A CCR fechou junho com uma alavancagem financeira medida pela relação entre dívida líquida sobre Ebitda de 2,7 vezes, nível superior ao índice de 1,8 vez um ano antes.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).