Grupo Noble ganha sobrevida e posterga insolvência

iStock
O Grupo Noble já foi a maior trading de commodities da Ásia

O Grupo Noble recebeu hoje (27) aprovação dos acionistas para um plano de reestruturação da dívida de US$ 3,5 bilhões, algo que deve garantir a sobrevivência da empresa que já foi a maior trading de commodities da Ásia.

LEIA MAIS: 10 empresas que mais compraram energia limpa em 2018

Diante da perspectiva de insolvência da companhia, os acionistas apoiaram relutantemente uma troca de dívida por capital que os deixaria detendo apenas 20% dos negócios, enquanto entregavam o controle majoritário a um grupo de credores composto principalmente por fundos de hedge.

“É obviamente um alívio tirar isso do caminho hoje e obter um apoio tão forte de nossos acionistas”, disse Paul Brough, presidente do Noble, após a empresa ter obtido aprovação de 99,6% dos acionistas que votaram na reunião realizada em Singapura. “É tudo sobre o negócio agora, em vez da reestruturação”, disse Brough depois de responder a inúmeras perguntas sobre as perspectivas da empresa reestruturada.

Vários pequenos acionistas presentes à reunião disseram à Reuters que estavam irritados com a administração do Noble, já que o plano reduziu o valor de seus investimentos, mas disseram que não viam alternativa senão apoiar o plano para salvar pelo menos parte de seu dinheiro.

O Noble, fundado em 1986 por Richard Elman, que aproveitou uma alta de commodities para transformá-la em uma das maiores tradings do mundo, teve seu valor de mercado, praticamente zerado após marcar US$ 6 bilhões em fevereiro de 2015.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).