Lucro do Grupo São Martinho cai 11% no 1º tri

iStock
A receita líquida da empresa foi de R$ 771,2 milhões no trimestre

O Grupo São Martinho, um dos mais tradicionais do setor sucroenergético brasileiro, reportou hoje (13) lucro líquido de R$ 104 milhões no primeiro trimestre da safra 2018/2019 (abril a junho), queda de 11% na comparação anual, em meio a uma menor receita com açúcar e carregamento de estoques de etanol para venda futura.

LEIA MAIS: São Martinho conclui incorporação da Usina Boa Vista

A geração de caixa da companhia, medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), foi de R$ 401,4 milhões no trimestre, queda de 15,6% ante igual período da temporada passada.

A receita líquida da empresa, que conta com quatro usinas nos Estados de São Paulo e Goiás, foi de R$ 771,2 milhões no trimestre, recuo de 11,15%.

“A principal razão para a queda foi o menor preço médio e volume de açúcar vendido”, destacou a companhia.

O Grupo São Martinho vendeu R$ 307,5 milhões em açúcar no primeiro trimestre da safra, 44,4% menos, dada a “redução do preço médio de comercialização do açúcar em 22,9%, além da redução de 27,8% no volume vendido, em linha com a estratégia de direcionar maior mix de produção para etanol nesta safra”.

Usinas de todo o centro-sul do Brasil têm maximizado a fabricação de álcool neste ano, já que o biocombustível está mais atrativo que o adoçante.

VEJA TAMBÉM: Excesso de oferta de açúcar leva usinas a buscarem alternativas

A receita líquida das vendas de etanol do Grupo São Martinho totalizou R$ 373,1 milhões no trimestre, 60,3% maior na comparação anual. Os ganhos, contudo, não foram maiores porque a empresa está segurando estoques para vender na entressafra, quando os preços do álcool são sazonalmente mais altos. “Teremos até o final da safra aproximadamente 980 mil metros cúbicos de etanol para comercializar – tal quantidade representa 87% da produção total do ano”, afirmou a companhia.

O Grupo São Martinho processou 9,5 milhões de toneladas de cana no primeiro trimestre da safra 2018/2019, crescimento de 8,8% em relação ao volume processado no mesmo período da safra passada.

“A combinação do aumento no volume de moagem de cana com o aumento de 5,5% no ATR (Açúcares Totais Recuperáveis) médio refletiu no incremento de 14,8% no total de ATR produzido, representando aproximadamente 43% do volume previsto de produção de açúcar e etanol na safra 2018/19.”

Em 30 de junho de 2018, o Grupo São Martinho detinha fixações de preços de açúcar para a safra 2018/2019 em 504,5 mil toneladas, ao preço médio de US$ 0,1449 centavos por libra-peso.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).