Receita da chinesa Xiaomi salta 68%

Esta é a primeira divulgação de resultados da Xiaomi desde que a empresa levantou US$ 4,72 bilhões em uma oferta inicial de ações em junho

A fabricante chinesa de smartphone Xiaomi teve alta de 68,3% em sua receita do segundo trimestre, com as fortes vendas de smartphones complementando um salto na receita em seu negócio menor, mas de rápido crescimento de aparelhos conectados.

LEIA MAIS: Xiaomi diz que fornecedora investirá US$ 200 mi na Índia

A Xiaomi, cujos smartphones baratos têm se tornado muito populares em países preocupados com preços, como a Índia, disse hoje (22) que sua receita em outros países mais do que dobrou ante o mesmo período do ano passado.

Esta é a primeira divulgação de resultados da Xiaomi desde que a empresa levantou US$ 4,72 bilhões em uma oferta inicial de ações em junho, avaliando-a em cerca de US$ 54 bilhões, quase metade as estimativas inicias do setor, de US$ 100 bilhões.

O caminho, entretanto, não tem sido fácil para a Xiaomi como uma empresa listada em bolsa. Suas ações em Hong Kong caíram em cerca de 20% desde as máximas alcançadas há cerca de um mês por preocupações com o valor da empresa e o acesso de investidores da China continental às negociações.

Os resultados devem aliviar preocupações sobre as operações da companhia.

A receita para os três meses encerrados em 30 de junho subiram para 45,24 bilhões de iuanes (US$ 6,58 bilhões), ante 26,88 bilhões de iuanes, disse a empresa em um comunicado.

VEJA TAMBÉM: Xiaomi capta US$ 4,72 bi após precificar IPO

A empresa reportou lucro líquido de 14,63 bilhões de iuanes para o período, ante um prejuízo líquido de 11,97 bilhões de iuanes um ano antes.

A receita internacional da empresa somou 16,4 bilhões de iuanes no trimestre, respondendo por 36,3% da receita total. As vendas de aparelhos conectados à internet, incluindo smart TVs, também cresceu rapidamente.

A Xiaomi gerou no ano passado 70% de suas receitas com a venda de seus smartphones populares e em geral. No entanto, as margens de seus telefones, que rodam um sistema operacional derivado do Android chamado MIUI, são pequenas.

A margem bruta em seu negócio de smartphone foi de 8,8% no ano passado. Em comparação, as margens do iPhone X ou do iPhone 8, da Apple, são de cerca de 60%, segundo analistas.

O preço atrativo dos celulares da empresa tem ajudado o rápido crescimento em mercados em desenvolvimento, onde a companhia está se aproximando da Samsung Electronics e da Apple.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).