Site liga siderúrgica à empresa de fachada da Odebrecht

iStock
A Altos Hornos de Mexico, uma das maiores siderúrgicas mexicanas, pagou US$ 3,7 milhões a uma empresa de fachada supostamente criada pela construtora brasileira Odebrecht para pagar propinas

A Altos Hornos de Mexico, uma das maiores siderúrgicas mexicanas, pagou US$ 3,7 milhões a uma empresa de fachada supostamente criada pela construtora brasileira Odebrecht para pagar propinas, informou hoje (20) o site de notícias investigativas “Quinto Elemento Lab”.

LEIA MAIS: Lucro líquido da Gerdau alcança R$ 698 milhões

A AHMSA fez três transferências para a conta semanas depois de anunciar a controversa venda de uma fábrica de fertilizantes para a companhia petrolífera estatal mexicana Pemex em 2014, informou o site, citando documentos do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil.

Não está claro quais ligações podem ter existido entre a Odebrecht, a AHMSA e a Pemex. As autoridades mexicanas têm investigado os negócios entre a companhia petrolífera e o conglomerado brasileiro, que nos últimos anos admitiu pagar mais de US$ 3 bilhões m propinas em toda a América Latina, incluindo US$ 10 milhões no México.

A conta que recebeu a transferência da AHMSA, de acordo com os documentos citados pelo relatório, foi registrada em Antígua pela Odebrecht em nome da Grangemouth Trading Company, registrada na Escócia.

A Grangemouth aparece em uma lista de empresas offshore montadas por Olivio Rodrigues Junior, que trabalhou para a Odebrecht e que, em depoimento aos promotores, disse que ajudou seu empregador a pagar subornos.

O porta-voz da AHMSA, Francisco Orduna, confirmou à Reuters que os pagamentos foram feitos, mas disse que os valores foram para a Grangemouth aconselhar a AHMSA sobre equipamentos, sistemas, logística e fornecedores para uma expansão das siderúrgicas em Monclova, no México.

A Odebrecht não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A Grangemouth, registrada no Reino Unido em março de 2013, de acordo com documentos online, diz que fornece equipamentos pesados ​​e representa fabricantes e revendedores de equipamentos usados. A empresa está listada como parceira da Stichting Tilbourg Crossing, uma entidade com sede na Holanda que, segundo os documentos, fazia parte da estrutura de subornos da Odebrecht.

A Reuters não conseguiu localizar nenhum representante da Grangemouth ou da Stichting Tilbourg Crossing.

De acordo com a reportagem, os pagamentos começaram logo depois que a AHMSA concluiu uma venda de US$ 273 milhões de uma fábrica de fertilizantes para a Pemex, uma transação posteriormente criticada pelos auditores mexicanos como cara e mal analisada.

A reportagem não provou um vínculo direto entre os pagamentos da Grangemouth e o contrato da Pemex ou mostra para onde foi o dinheiro que a AHMSA pagou a Grangemouth.

Os pagamentos da AHMSA a Grangemouth foram feitos para uma conta no Meinl Bank Antigua, informou o site. A conta é a mesma que os executivos da Odebrecht disseram em depoimento que costumavam usar para pagar Emilio Lozoya, presidente-executivo da Pemex na época.

A Pemex se recusou a comentar sobre questões relacionadas à Odebrecht, citando a investigação em andamento. A petrolífera disse que a fábrica de fertilizantes que comprou da AHMSA, que ficou desativada por 18 anos antes da negociação, foi reformada e agora está em operação.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).