Startup que conecta empresas a ciclistas estreia em SP

iStock
As bicicletas são elétricas e equipadas com baú de carga

A startup Pedivela, que conecta empresas e transportadoras a ciclistas autônomos para trechos finais de entregas, deve iniciar operações na próxima semana, em São Paulo.

LEIA MAIS: Startup lança app para frete de transporte coletivo

Com bicicletas elétricas equipadas com baú de carga, a empresa brasileira diz que consegue realizar viagens com maior eficiência e reduzir em até 35% o custo das entregas.

Para o presidente da empresa, Rafael Darrouy, empresas de comércio eletrônico e transportadoras podem contratar os serviços da Pedivela por um preço médio de R$ 2,80 a R$ 2,90 por viagem. Enquanto os ciclistas teriam faturamento bruto de R$ 3 mil a R$ 3.500 por mês, sem descontar custos como aluguel da bicicleta e seguros de vida e de carga.

A empresa já tem 15 empresas clientes, com 600 ciclistas cadastrados no aplicativo em São Paulo, que podem fazer cerca de 5 mil entregas por dia.

Ao longo de 2019, a Pedivela quer ampliar suas operações em São Paulo e para outras 23 cidades, como Belo Horizonte, Campinas, Curitiba, Porto Alegre e Recife, disse Darrouy.

Para realizar as entregas, os ciclistas retiram os pacotes de um galpão no bairro de Pinheiros e os levam ao destino final. Com o aumento das operações, novos locais de retirada serão instalados em contêineres automatizados.

VEJA TAMBÉM: Israel anuncia investimento em startups de transporte

“Vamos colocar um protótipo (desses contêineres) daqui um ano em São Paulo e, a partir de 2020, o crescimento será todo automatizado”, disse Darrouy.

O executivo explicou que quando a carga chega, o sistema da Pedivela organiza os pacotes, roteriza a entrega e acomoda a carga na bicicleta.

“O sistema (de separação automatizada) já acontece em grande escala em transportadoras, em e-commerces. Estamos trazendo isso para perto das cidades (em estruturas menores)”, disse.

A startup buscará R$ 4 milhões em investimentos para seu plano de expansão, além dos R$ 2 milhões da primeira rodada, mas Darrouy não informou quem foram os investidores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).