CBS aceita pagar US$ 120 mi a ex-CEO Leslie Moonves

Getty Images
O executivo reconheceu três dos encontros mais recentemente descritos, mas disse que foram consensuais

A CBS informou hoje (10) que pagará US$ 120 milhões ao ex-presidente-executivo, Leslie Moonves, caso uma investigação interna sobre alegações de assédio não forneçam justificativas para a sua demissão.

LEIA MAIS: CEO da CBS é acusado de abuso sexual por mais mulheres

Moonves, que transformou a CBS de envelhecida emissora de rádio e TV em uma bem-sucedida provedora de shows para plataformas digitais, deve obter cerca de US$ 100 milhões em indenizações. A companhia informou em documento regulatório que doaria, em conjunto com Moonves, mais US$ 20 milhões a organizações em apoio ao movimento #MeToo.

Moonves, alto executivo na CBS desde 2006 e importante figura no grupo de mídia por mais de duas décadas, renunciou no domingo (9) em meio a uma nova onda de acusações contra ele de agressão sexual e assédio. A CBS informou que leva muito a sério essas alegações.

O executivo reconheceu três dos encontros mais recentemente descritos, mas disse que foram consensuais, em comunicado à revista “New Yorker”.

Mais tarde, ao anunciar sua renúncia, ele disse: “Alegações falsas de décadas atrás agora estão sendo feitas contra mim que não são consistentes com quem sou”.

Ele não respondeu aos pedidos de entrevista hoje.

VEJA TAMBÉM: Como as empresas devem combater o assédio sexual

A CBS informou no comunicado que o montante de US$ 120 milhões em indenização seria depositado dentro de 30 dias e que Moonves pode terminar com nada se o resultado da investigação vier contra ele.

O conselho decidirá o curso de ação a ser tomado antes de 31 de janeiro e a decisão será sujeita a arbitragem vinculante.

Separadamente, a CBS e o acionista controlador National Amusements (NAI) também encerrarão um litígio sobre o controle da companhia, colocando fim a uma das maiores disputas entre grandes empresas de mídia na América.

Moonves se opôs aos esforços da NAI, que é de propriedade de Shari Redstone e de seu pai Sumner Redstone, para a fusão da CBS com a Viacom, outra companhia deles.

O documento de hoje confirmou que a NAI decidiu não propor a fusão entre CBS e Viacom por dois anos, a menos que consiga dois terços de votos de diretores não afiliados ao acionista controlador.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).