Dólar sobe ante real com correção

iStock
O dólar futuro avançava cerca de 0,90%. Na mínima, a moeda foi a R$ 4,0362 e, na máxima, R$ 4,0970

O dólar terminou o dia (24) em alta ante o real, corrigindo parte do forte recuo da semana passada enquanto os investidores aguardavam mais uma pesquisa de intenções de votos do Ibope, depois que levantamento do BTG Pactual mostrou mais cedo avanço de Fernando Haddad (PT) na segunda colocação, com Jair Bolsonaro (PSL) estagnado na liderança.

LEIA MAIS: Dólar sobe à espera da nova pesquisa eleitoral Ibope

O cenário externo em baixa, que mais cedo levou a moeda para as mínimas, acabou provocando influência contrária à tarde, favorecendo a alta.

O dólar avançou 1,00%, a R$ 4,0880 na venda, depois de cair 2,86% na semana passada, o maior recuo semanal desde meados de julho de 2017.

O dólar futuro avançava cerca de 0,90%. Na mínima, a moeda foi a R$ 4,0362 e, na máxima, R$ 4,0970.

“(A pesquisa divulgada pelo BTG marcou) o primeiro episódio de estagnação do deputado e avanço do petista, o que, embora possa acender a ‘luz de alerta’ no mercado, é uma situação ainda isolada e que tende a ser confrontada hoje à noite por nova pesquisa pelo Ibope”, escreveu a H.Commcor Corretora em relatório a clientes.

A nova pesquisa do Ibope será divulgada após o fechamento do mercado local.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha no menor patamar em um mês

No levantamento encomendado pelo BTG Pactual e feito pelo FSB Pesquisa, Bolsonaro manteve a liderança com 33% das intenções de votos, sem oscilar, enquanto Haddad cresceu 7 pontos em comparação com o levantamento anterior, para 23%.

Além disso, nas simulações de segundo turno, Bolsonaro oscilou dois pontos para baixo, para 44% das intenções de votos, no cenário disputado com Haddad, que passou para 40%, de 38% antes. Os dois estão em empate técnico.

“Estamos a menos de 15 dias das eleições. Toda pesquisa é de extrema importância”, argumentou a corretora Guide em relatório.

O avanço do dólar ante o real também teve influência externa com o fortalecimento da moeda norte-americana ante outras divisas de países emergentes, depois de cair ante a grande maioria delas durante a manhã.

O dólar subia ante os pesos chileno, mexicano e o rand sul-africano, tendo a guerra comercial entre Estados Unidos e China como pano de fundo, com a entrada em vigor de nova rodada de tarifas.

E AINDA: Dólar abre em alta de 0,46% cotado a R$ 4,0888

Ante a cesta de moedas, o dólar estava praticamente inalterado, com investidores à procura de pistas para estender o rali dos últimos meses na moeda antes da decisão do Federal Reserve nesta quarta-feira (26).

Na ocasião, o banco central norte-americano deve elevar as taxas de juros no país, pela terceira vez neste ano, e os investidores querem indicações sobre um possível quarto aumento, em dezembro.

O Banco Central ofertou e vendeu integralmente nesta sessão 10,9 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. O BC já rolou até esta sexta-feira (28) US$ 8,175 bilhões em swaps cambiais do total de US$ 9,801 bilhões que vencem em outubro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).