Facebook não protege moderadores de conteúdo de trauma mental

iStock
Os moderadores do Facebook sob contrato são “bombardeados” com “milhares de vídeos, imagens e transmissões ao vivo de abuso sexual infantil, estupro, tortura, bestialidade, decapitações, suicídio e assassinato”, diz o processo

Uma ex-funcionária do Facebook entrou com uma ação contra a empresa, alegando que os moderadores de conteúdo que enfrentam trauma mental após rever imagens angustiantes na plataforma não estão sendo devidamente protegidos pela gigante das redes sociais.

LEIA MAIS: Facebook retira suporte in loco a campanha política

Os moderadores do Facebook sob contrato são “bombardeados” com “milhares de vídeos, imagens e transmissões ao vivo de abuso sexual infantil, estupro, tortura, bestialidade, decapitações, suicídio e assassinato”, diz o processo.

Até o fechamento desta reportagem, o Facebook não respondeu ao pedido de entrevista.

“O Facebook está ignorando seu dever de fornecer um local de trabalho seguro e criando uma porta giratória de funcionários que estão irreparavelmente traumatizados pelo que presenciaram no trabalho”, disse Korey Nelson, advogado da ex-funcionária Selena Scola, em comunicado hoje (24).

A firma de Nelson está buscando uma ação coletiva para o processo.

Scola trabalhou nos escritórios do Facebook em Menlo Park e Mountain View, na Califórnia, por nove meses desde junho do ano passado, sob contrato de uma empresa de RH sediada na Flórida.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).