Ibovespa avança 1,8% com exterior e cena eleitoral

iStock
Cenário internacional exerce influência positiva no mercado local, aquecendo a Bovespa

O tom positivo prevalecia hoje (21) a fim da manhã na bolsa paulista, com o Ibovespa caminhando para encerrar a semana no azul, ajudado pelo quadro benigno no exterior e com Vale alcançando cotação recorde, enquanto agentes financeiros seguem especulando sobre a cena eleitoral no país. Às 12h27, o principal índice de ações da B3 subia 1,84%, a 79.556,77 pontos. O volume financeiro somava R$ 3,7 bilhões. Nesse cenário, o Ibovespa deve fechar a semana com ganho acumulado ao redor de 5%, o segundo melhor desempenho semanal no ano e após duas semanas de perdas.

LEIA MAIS: Farfetch faz IPO e pode arrecadar US$ 885 mi

Apesar das incertezas em relação ao resultado da disputa presidencial no país, o cenário internacional exerce influência positiva no mercado local, com forte apetite a risco, disse o analista Vitor Suzaki, da Lerosa Investimentos. “Apesar de ganhos mais contidos nesta sessão, as bolsas nos EUA estão em máximas históricas, as commodities estão em alta”, afirmou, atribuindo parte do otimismo a certo alívio acerca das negociações comerciais entre EUA e China.

Em Wall Street, o S&P 500 subia cerca de 0,1%, com ações dos setores de tecnologia e consumo discricionário entre os principais suportes, embora vencimentos de opções e de futuros de ações e índices adicionem volatilidade.

Suzaki também chamou a atenção para a entrada líquida de capital externo no segmento Bovespa nos últimos dias, avaliando como mais um fator para o desempenho mais positivo no pregão nesta semana. Dados da B3 até o dia 18 de setembro mostram saldo líquido de estrangeiros de R$ 55,134 milhões em setembro, sendo que apenas nos três pregões até a última terça-feira houve entrada líquida de R$ 794,77 milhões.

De acordo com o chefe da área de renda variável da corretora de um banco em São Paulo, também repercutiu positivamente pesquisa XP/Ipespe, particularmente as simulações de segundo turno, com melhora de Jair Bolsonaro, do PSL. A pesquisa mostrou nesta sexta-feira que o candidato do PSL à Presidência manteve a liderança nas intenções de votos para o primeiro turno, enquanto Fernando Haddad (PT) assumiu a segunda posição de forma isolada. Em simulações de segundo entre os dois candidatos, Bolsonaro apareceu com 41%, contra 40% no levantamento anterior, e o petista manteve os 38%.

 

Destaques

– Marfrig subia 5%, maior alta do Ibovespa, encontrando no clima mais favorável apoio para alguma recuperação, após tocar na semana passada cotação mínima intradia desde setembro de 2016. No mês, o papel recua mais de 7%, sendo que, em agosto, acumulou declínio de 30%

– Ecorodovias valorizava-se 3,7%, também na ponta positiva, beneficiada por um ambiente de queda nas taxas futuras de juros, recuperando parte das fortes perdas nos dois pregões anteriores

– Petrobras PN avançava 1,56%, favorecida pelo avanço inicial dos preços do petróleo no exterior e ainda influenciada por expectativas relacionadas ao cenário eleitoral no Brasil dado o seu controle estatal

– Vale subia 1,77%, acompanhando uma tendência mais positiva para commodities metálicas, mas também na demanda por seus produtos. Siderúrgicas chinesas e traders estão correndo para assegurar contratos de longo prazo para minério de ferro de alta qualidade da Vale antes de cortes de produção no inverno. Na máxima nesta sessão, os papéis da mineradora chegaram a R$ 60,50, recorde intradia

– Itaú Unibanco PN ganhava 1,90%, com o setor de bancos como um todo no azul. Bradesco PN subia 1,22%, Banco do Brasil valorizava-se 1,29% e Santander Brasil Unit ganhava 3,67%

– Sabesp subia 3,45%, após divulgar acordo com a prefeitura de Guarulhos para prestação de serviços de abastecimento de água e esgoto no município, que prevê investimento de R$ 1,7 bilhão por parte da Sabesp nos sistemas do município e também isenta Guarulhos de pagar uma dívida de R$ 3,2 bilhões com a empresa

– Ultrapar recuava 2,61%, tendo tocado R$ 36,81 no pior momento, menor cotação intradia desde novembro de 2012. No mês, o papel recua cerca de 10%

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).