Petróleo Brent opera em queda perto de US$ 77

Reuters
O petróleo Brent recuava US$ 0,81, ou 1,04%, a US$ 77,36 por barril, às 8:17

Os contratos futuros do petróleo operavam em queda hoje (5), recuando a cerca de US$ 77 o barril, à medida que o enfraquecimento da tempestade tropical na costa do Golfo dos Estados Unidos compensava o suporte das previsões de redução de estoques norte-americanos e as sanções contra o Irã.

LEIA MAIS: Mesmo com tensões, preços do petróleo operam em alta

O petróleo Brent recuava US$ 0,81, ou 1,04%, a US$ 77,36 por barril, às 8:17 (horário de Brasília).

O petróleo dos Estados Unidos caía US$ 0,89, ou 1,27%, a US$ 68,98 por barril.

O petróleo saltou no dia anterior, com as empresas petrolíferas fechando dezenas de plataformas em alto-mar, antecipando-se à tempestade tropical Gordon. Mas hoje, a tempestade se enfraquecia, reduzindo sua ameaça aos produtores de petróleo.

“Uma tempestade em copo d’água”, disseram analistas da JBC Energy, referindo-se ao impacto limitado de Gordon na precificação do petróleo.

Os futuros do petróleo podem ganhar apoio se relatórios sobre os estoques dos EUA mostrarem uma queda. Analistas estimam que, em média, os estoques caíram cerca de 1,9 milhão de barris na semana passada.

VEJA TAMBÉM: Irã pode fazer preço do barril de petróleo chegar a US$ 200

O American Petroleum Institute, um grupo industrial, divulgará seu relatório de oferta às 17h30 (horário de Brasília) hoje, um dia depois do que o de costume por causa do feriado do Dia do Trabalho na última segunda-feira (3). Os números oficiais do governo serão divulgados na quinta-feira (6).

As sanções dos Estados Unidos contra o setor de petróleo do Irã a partir de novembro já estão reduzindo as exportações do terceiro maior produtor da Opep e neutralizando o impacto de um acordo da Opep e seus aliados para bombear mais petróleo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).