Telescópio da Nasa descobre dois novos planetas

Reprodução/Reuters
A missão de dois anos e US$ 337 milhões do Tess almeja ampliar o catálogo dos chamados exoplanetas, mundos que circulam estrelas distantes

Um telescópio orbital desenvolvido para detectar mundos fora do sistema solar descobriu dois planetas distantes nesta semana, cinco meses após o lançamento do Cabo Canaveral, no Estado norte-americano da Flórida, disseram ontem (20) autoridades.

LEIA MAIS: Neurocientistas criam algoritmo que pode nos deixar mais persuasivo

O Satélite de Pesquisa de Exoplanetas em Trânsito da Nasa, mais conhecido como Tess, fez uma descoberta precoce de “super-Terras” e “Terras quentes” em sistemas solares a não menos de 49 anos-luz de distância, a primeira descoberta do satélite desde o lançamento em abril.

A missão de dois anos e US$ 337 milhões do Tess almeja ampliar o catálogo dos chamados exoplanetas, mundos que circulam estrelas distantes, conhecidos pelos astrônomos.

Embora os dois planetas sejam quentes demais para comportar vida, a vice-diretora de ciência do Tess, Sara Seager, acredita em muitas outras descobertas deste tipo. “Teremos que esperar para ver o que mais ele descobre”, disse ela à Reuters. “Sabemos que há planetas lá fora, enchendo o céu noturno, só esperando para serem encontrados.”

O Tess foi concebido para capitalizar o trabalho de seu antecessor, o telescópio espacial Kepler, que descobriu a maior parte dos cerca de 3.700 exoplanetas documentados durante os últimos 20 anos e que está ficando sem combustível.

A Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa) espera localizar milhares de mundos até agora desconhecidos, talvez centenas deles do tamanho da Terra ou “super-Terras” – não maiores do que duas vezes o tamanho de nosso planeta.

Acredita-se que nestes é mais provável encontrar superfícies rochosas ou oceanos, e por isso eles são considerados os melhores candidatos para a evolução da vida. Cientistas disseram crer que futuramente o Tess ajudará a catalogar ao menos outros 100 exoplanetas rochosos para estudos posteriores do que se tornou um dos campos de exploração mais novos da astronomia.

Na quarta-feira (19) pesquisadores do MIT anunciaram a descoberta do Pi Mensae c, uma “super-Terra” a 60 anos-luz de distância orbitando seu sol a cada 6,3 dias. A descoberta do LHS 3844 b, uma “Terra quente” situada a 49 anos-luz de distância que orbita seu sol a cada 11 horas, foi anunciada ontem (20).

Os dois planetas novos, que ainda precisam ser analisados por outros pesquisadores, oferecem uma chance para estudos posteriores, disseram autoridades.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).