Acordo de Musk com SEC dá força a ações de investidores

Mike Blake/Reuters
Posto de carregamento dos carros elétricos da Tesla

O acordo da Tesla com reguladores norte-americanos ajudará a acalmar os investidores que pedem mais supervisão do presidente-executivo da empresa, Elon Musk, afirmam especialistas. Musk e Tesla acertaram com a Securities and Exchange Commission (SEC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dos Estados Unidos, o pagamento de US$ 20 milhões cada um e a contratação de dois diretores independentes. Além disso, o bilionário renunciará ao cargo de presidente do conselho de administração da montadora de carros elétricos. A SEC o acusa de fraude por fazer declarações falsas no Twitter, portanto públicas, que poderiam prejudicar investidores da Tesla. Em 7 de agosto, o empresário disse no Twitter que estava considerando fechar o capital por US$ 420 por ação. Depois, recuou.

LEIA MAIS: Elon Musk deixa a presidência do conselho da Tesla

Esse acordo entre SEC, de um lado, e Musk e Tesla, de outro, ainda precisa ser aprovado por um tribunal. E mesmo assim não irá encerrar a investigação do Departamento de Justiça sobre a Tesla a respeito dos tuítes de Musk ou ações judiciais de vendedores a descoberto e outros investidores que alegam perdas e violações das leis de valores mobiliários. Nem Musk nem Tesla admitiram ou negaram as acusações da SEC. Nenhum dos dois respondeu a pedidos de comentários.

“A verdadeira preocupação para a empresa não é a SEC, mas ações privadas que se seguem a um acordo como este”, disse Charles M. Elson, diretor do Centro Weinberg de Governança Corporativa da Universidade de Delaware. “Ao pagar essa multa, a Tesla aumenta as reclamações dos investidores sobre as perdas no mercado de ações.”

As reclamações dos investidores podem resultar em liquidações substanciais em dinheiro ou ações, disse Elson. Um acordo de patrimônio poderia diluir a participação de 19% de Musk na Tesla, reduzindo ainda mais sua influência no conselho. A Tesla deve divulgar a produção do terceiro trimestre nesta semana, e os investidores estão observando para ver se atingiu os objetivos do modelo 3, um carro de alto volume. O eventual lucro provavelmente não será conhecido até que relate os resultados financeiros do trimestre.

LEIA TAMBÉM: Cofundador do WhatsApp conta por que rompeu com o Facebook

Musk concordou com a SEC depois que conselheiros o persuadiram de que os termos eram favoráveis ​​e que uma longa briga judicial não seria do interesse da empresa, disse uma fonte a par do acordo. Musk queria pagar pessoalmente a multa pela Tesla, mas a SEC rejeitou essa proposta, disse a fonte. Tesla e Musk acabaram aceitando penalidades mais duras do que a SEC propôs originalmente para acertar as reivindicações, de acordo com a fonte a par do acordo. Inicialmente, a SEC estava pronta para aceitar uma multa de alguns milhões de dólares e a remoção de Musk da presidência por dois anos, mas aumentou suas exigências depois que Musk recusou a oferta, disse a fonte. As ações da Tesla despencaram cerca de 14% na sexta-feira, um dia depois de a SEC acusar Musk de enganar os investidores — e 30% desde o tuíte de 7 de agosto.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).