Apple paga US$ 600 mi por tecnologia para iPhone

Stringer/Reuters
Pessoas fazem fila em loja da Apple na China para adquirir os novos iPhones da companhia, em 21/09/2018

A Apple está comprando tecnologia de gerenciamento de energia crucial para seus iPhones em um acordo de US$ 600 milhões com a Dialog Semiconductor, que por sua vez garantirá seu papel como fornecedora da gigante norte-americana. O acordo para adquirir patentes e pessoal da designer anglo-alemã de chips não é apenas atípico, mas marca o maior do tipo já assinado pela Apple, cuja última aquisição considerável foi a compra da criadora do Face ID, PrimeSense, por US$ 350 milhões, em 2013.

LEIA MAIS: Lançamentos da Apple apontam para um futuro sem iPhones

As ações da Dialog subiram até 34% hoje (11) nesta quinta-feira, maior avanço desde 2002, conforme o acordo dá à empresa tempo para reduzir sua dependência da Apple, que deve responder por 75 por cento das vendas neste ano. No início do ano, os papéis da Dialog despencaram, após a companhia informar que a Apple planejava usar chips de outro fornecedor.

O presidente-executivo da Dialog, Jalal Bagherli, afirmou à Reuters que agora poderia liderar uma transformação “controlada e suave” do negócio, enquanto busca novas oportunidades em áreas como Internet das Coisas, que incluem dispositivos conectados como alto-falantes, monitores fitness ou relógios inteligentes.

 

Relação de longa data

Desde os primeiros iPhones, décadas atrás, a Apple utiliza os chips de gerenciamento de energia da Dialog para estender o tempo de vida das baterias.

Sob o acordo, a Apple está adquirindo as patentes, além de uma forte equipe de 300 engenheiros, dos quais a maioria trabalhou em chips para dispositivos da Apple, e os escritórios da Dialog no Reino Unido, na Itália e na Alemanha.

A Dialog informou que sua receita em 2018 não seria afetada e que daria continuidade aos embarques dos circuitos integrados de gerenciamento de energia existentes (PMICs) para Apple. A companhia espera vender gerações atuais e futuras dos chamados sub-PMICs para Apple.

LEIA TAMBÉM: O dia em que Bill Gates salvou a Apple

Bagherli disse que a Apple cada vez mais enxerga os PMICs, que são centrais para operação dos seus dispositivos, como um elemento estratégico que desejava controlar diretamente. Este não é o caso dos sub-PMICs que gerenciam recursos como câmeras on-board, afirmou .

Após o acordo, a Dialog espera que a Apple responda por 30% a 40% das suas receitas totais em 2022, abaixo dos cerca de 75% atualmente. O número de funcionários cairá para 1.800.

A fabricante de chips também informou que iniciará um programa de recompra de até 10% das ações. A entrada dos US$ 600 milhões por meio do acordo com a Apple reforçará a posição de caixa líquido já saudável da Dialog, de US$ 525 milhões, segundo analistas.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).