Casa de leilão diz que adoraria outra “façanha” de Banksy

Foto Reprodução Reuters
Arnaud Oliveux posa antes de leilão em Paris

A primeira casa de leilões a vender reproduções de Banksy desde a última que o fez, uma quinzena atrás, não acredita em uma façanha como a daquela ocasião, quando metade de um quadro foi destruído por um picador de papéis momentos depois de ser vendido – mas se algo acontecer, vai achar ótimo.

LEIA TAMBÉM: Quer comprar um rinoceronte? Há 21 deles que vão a leilão

“Esperamos por isso? Na verdade não. Talvez estejamos torcendo”, disse o leiloeiro Arnaud Oliveux, da casa de leilões Artcurial de Paris, que está vendendo três reproduções de Banksy nesta semana. “Eu adoraria se algo acontecesse.”

O artista britânico se empenhou ainda mais em cultivar a mística a seu respeito nas duas semanas passadas desde que uma reprodução de uma de suas obras mais conhecidas, “Girl With A Balloon”, deslizou pela metade para dentro de um picador de papéis preso à sua moldura instantes depois de ser vendida na Sotheby’s de Londres.

Banksy divulgou um novo vídeo nesta semana que insinua que a destruição parcial foi uma falha, já que mostra uma reprodução idêntica na mesma moldura sendo totalmente retalhada com a legenda “nos ensaios funcionou todas as vezes”.

Oliveux disse que, se Banksy está planejando mais uma façanha no próximo leilão, provavelmente não envolverá um picador de papéis. “Banksy nunca se repete. Aqui, você vê a moldura, não há nada escondido na estrutura. Mas talvez pudéssemos imaginar um truque diferente.”

A casa de leilões disse que não pode prever a que valor chegarão as três reproduções, mas que espera que a atenção extra causada pela última façanha de Banksy tenha impacto nos preços. Todos os lugares do leilão estarão ocupados e a mídia internacional estará presente.

O lance de uma reprodução de “Stop and Search”, que retrata a Dorothy de “O Mágico de Oz” sendo revistada por um policial, começa em £ 30 mil, pouco se comparado ao £ 1 milhão que “Girl With a Balloon” recebeu momentos antes de se autodestruir.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).