CEEE prepara leilão de quase R$ 1 bi em ativos

iStock
A data do leilão dos ativos da CEE ainda não está definida

A elétrica estatal gaúcha CEEE está preparando um leilão para a venda de participações em ativos de geração e transmissão avaliados em quase R$ 1 bilhão, informou a companhia em comunicado hoje (2).

LEIA MAIS: Empresa mineira começa a mudar a indústria de energia elétrica no mundo

Segundo a unidade de geração e transmissão da empresa, CEEE-GT, o leilão terá o edital publicado “brevemente” e acontece em meio a uma estratégia da companhia de focar investimentos em seus contratos de concessão nativos (mais antigos).

O leilão, que deverá ser realizado na sede da bolsa paulista B3, em data ainda não definida, envolverá fatias de entre 6,5% e 49% da CEEE-GT em seis empreendimentos, entre hidrelétricas e linhas de transmissão. As participações foram avaliadas em cerca de R$ 992 milhões.

O principal ativo do certame será a fatia de 30% da empresa na Companhia Energética Rio das Antas (Ceran), avaliada em R$ 301,8 milhões.

A Ceran opera três hidrelétricas no Rio Grande do Sul (Monte Claro, Castro Alves e 14 de Julho) que somam 360 megawatts em capacidade. A principal sócia do empreendimento é a CPFL Geração, com 65%. A norueguesa Statkraft possui 5%.

O leilão também envolverá uma fatia de 9% da CEEE-GT na hidrelétrica Foz do Chapecó, avaliada em R$ 282,9 milhões. A estatal gaúcha tem como sócios no negócio a CPFL, com 51%, e Furnas, da Eletrobras, com 40%.

VEJA TAMBÉM: Exxon vê oportunidade em bioenergia e gás no Brasil

A CEEE-GT ainda pretende negociar sua fatia de 6,51% na Campos Novos Energia, que opera a hidrelétrica Campos Novos. A empresa tem como outros sócios CPFL (48,7%), Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) (33%) e Votorantim (11,6%).

Já entre ativos de transmissão, a CEEE-GT inclui no certame suas fatias de 49% na Fronteira Oeste Transmissora (FOTE) e na Transmissora Sul Litorânea (TSLE), por R$ 52,2 milhões e R$ 198 milhões, respectivamente, além de uma fatia de 10% na Empresa de Transmissão Alto Uruguai (ETAU), por R$ 15,6 milhões.

A elétrica disse que o processo de desinvestimento respeitará acordos de acionistas firmados junto aos sócios, “observando o direito de preferência dos acionistas para a potencial aquisição do percentual de participação da companhia” nos negócios.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).