Crescem riscos à estabilidade financeira global

Reuters
Diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, em 4/10/2018

Os riscos ao sistema financeiro global aumentaram ao longo dos últimos seis meses e podem se elevar com força se as pressões nos mercados emergentes ampliarem ou as relações comerciais globais se deteriorarem mais, disse nesta quarta-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI).

LEIA MAIS: FMI corta previsões de expansão econômica global

O FMI, cujas reuniões com o Banco Mundial iniciam nesta semana na ilha indonésia de Bali, também destacou que, embora a estabilidade financeira tenha sido sustentada por reguladores na década desde a crise financeira global de 2008, condições financeiras frouxas estão contribuindo para um aumento dos problemas potenciais relacionados aos altos níveis de dívida e avaliações “alongadas” de ativos.

Mas novos regimes de resolução bancária para evitar resgates financeiros futuros são em grande medida não testados, disse o Fundo em sua atualização bianual de estabilidade financeira global. “Os riscos de curto prazo à estabilidade financeira global aumentaram um pouco”, disse o FMI. “No geral, os participantes do mercado parecem complacentes sobre o risco de um forte aperto nas condições financeiras.”

O Fundo destacou que o crescimento econômico parece ter atingido um pico em algumas importantes economias enquanto a diferença entre países avançados e mercados emergentes está se ampliando. Ontem, o FMI cortou suas estimativas de crescimento global devido à intensificação da guerra comercial entre EUA e China e aos crescentes apertos financeiros nos mercados emergentes.

LEIA MAIS: Chore pela Argentina – o FMI está chegando

Novas pesquisas do FMI mostram que países emergentes com exceção da China podem enfrentar fluxos de saída de capital de até US$ 100 bilhões, nível visto pela última vez durante a crise financeira global.

O Fundo citou uma série de outros riscos de curto prazo à estabilidade financeira, incluindo a possibilidade de um “não-acordo” do Brexit ou renovadas preocupações sobre política fiscal em alguns países endividados da zona do euro.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).