Dólar cai abaixo de R$ 3,60 com Bolsonaro eleito

iStock
Às 10:20, a moeda norte-americana recuava 0,69%, a R$ 3,6293 na venda

O dólar operava em queda firme na manhã de hoje (29), tendo indo abaixo de R$ 3,60, com os investidores precificando a vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial e a promessa de responsabilidade fiscal.

LEIA MAIS: Dólar tem menor valor em 5 meses

Às 10:20, a moeda norte-americana recuava 0,69%, a R$ 3,6293 na venda, depois de marcar a mínima de R$ 3,5822. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,5%.

Na sexta-feira (26), a moeda já havia recuado ao seu menor valor em cinco meses, diante da expectativa de vitória do capitão da reserva do Exército no domingo.

“Os próximos drivers para o dólar local serão a divulgação da equipe econômica e esclarecimentos em relação ao plano de governo”, afirmou o sócio da assessoria de investimentos Criteria Investimentos, Vitor Miziara, referindo-se a questões como controle de gastos e reforma da Previdência.

Em seu primeiro discurso após ser declarado vitorioso, Bolsonaro prometeu respeitar a Constituição, fazer um governo democrático e unificar o país, além de defender compromisso com a responsabilidade fiscal.

O economista Paulo Guedes, que comandará o Ministério da Fazenda no novo governo e foi o principal motivo para Bolsonaro angariar o apoio do mercado financeiro, declarou que buscará zerar o déficit fiscal em um ano, além de colocar a reforma da Previdência como prioridade.

VEJA TAMBÉM: Dólar abre em queda de 0,73% ante real

No exterior, o dólar opera em queda ante a maioria das divisas de países emergentes, como o rand sul-africano e o peso chileno.

Ante a cesta de moedas, no entanto, o dólar sobe, em dia de fraqueza do euro após a chanceler da Alemanha Angela Merkel ter declarado que não buscará uma reeleição como presidente do partido, marcando o fim de uma era de 13 anos em que ela dominou a política europeia.

No geral, entretanto, seguem as preocupações com a guerra comercial e seus efeitos sobre o crescimento, sobretudo da China, Brexit, orçamento italiano e alta de juros nos Estados Unidos.

“A longa lista de problemas lá fora volta a ganhar destaque e pode inibir a queda (do dólar ante o real) daqui em diante”, disse o diretor da corretora Mirae, Pablo Spyer.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de novembro, no total de 8,027 bilhões de dólares.

E TAMBÉM: Dólar termina dia em baixa ante real

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).