Dólar cai e fecha a R$ 3,6872 com otimismo eleitoral

iStock
Com a consolidação do cenário preferido do mercado de provável vitória de Bolsonaro no domingo, as negociações do candidato do PSL para montagem de uma coalizão no Congresso devem ocupar as atenções dos investidores

O dólar fechou em queda hoje (22), em dia fraco de notícias econômicas e sob forte otimismo do mercado com o favoritismo de Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas na reta final antes das eleições no domingo (28).

LEIA MAIS: Dólar recua ante real por favoritismo de Bolsonaro

A moeda norte-americana recuou 0,74%, a R$ 3,6872 na venda.

O dólar chegou a cair mais de 1% durante a sessão, sendo cotada em queda ante o real durante a maior parte do pregão. Na mínima, alcançou R$ 3,6702. Na máxima, foi a R$ 3,7218. O dólar futuro caía cerca de 0,7%.

O mercado aguarda para amanhã (23) a divulgação da prévia da inflação oficial de outubro. O IPCA-15 deve ter subido a 4,59% nos 12 meses até outubro, de acordo com a mediana de 16 projeções colhidas em pesquisa Reuters.

Pesquisa de intenção de votos encomendada pelo BTG Pactual à FSB Pesquisas mostrou hoje uma liderança de 20 pontos de Bolsonaro sobre Fernando Haddad, do PT, considerando os votos válidos. Já no levantamento CNT/MDA, também divulgado nesta segunda-feira, Bolsonaro tem 57% dos votos válidos, contra 43% de Haddad..

Com a consolidação do cenário preferido do mercado de provável vitória de Bolsonaro no domingo, as negociações do candidato do PSL para montagem de uma coalizão no Congresso devem ocupar as atenções dos investidores.

VEJA TAMBÉM: Dólar termina em queda e recua pela 5ª semana

A negociação de Bolsonaro com os partidos políticos que integram o chamado Centrão “deverá ser bem recebida pelo mercado, uma vez que é um indício de que o nível de governabilidade poderá ser melhor que o esperado”, diz relatório da Renascença DTVM assinado pelo economista Marcos R. Pessoa e equipe.

Além de sinalizar que eventualmente buscará a independência do Banco Central, Bolsonaro também vem negociando a formação de uma base parlamentar capaz de aprovar reformas constitucionais, duas informações positivas na avaliação do mercado.

“A independência do Banco Central ameniza qualquer desconforto”, afirmou o diretor da Mirae, Pablo Spyer.

A moeda norte-americana chegou a subir R$ 0,02 contra o real após o início do pregão, em parte por atrair compradores quando a cotação foi abaixo de R$ 3,70 e também acompanhando o desempenho no exterior, onde subia ante o peso mexicano e a lira turca, de acordo com o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

E AINDA: Dólar volta a recuar ante real com pesquisa eleitoral

Após a breve alta, o dólar retomou a queda, tendência que deve permanecer durante a semana anterior ao segundo turno da eleição presidencial. “É uma segunda-feira de agenda fraca e o volume está pequeno, o mercado oscila muito fácil em relação aos ativos”, explicou Amado, acrescentando não acreditar “que o mercado vai desmontar posições e aprofundar a queda durante a semana”. “Vai prevalecer a cautela”, acrescentou.

No exterior, a promessa de mais estímulos depois que a China revelou medidas de mudanças de impostos para sustentar a economia e empresas ajudava os mercados emergentes, em um dia de maior alívio também com o orçamento italiano depois que a agência de classificação Moody’s manteve a perspectiva estável do país.

O Banco Central vendeu nesta sessão 7,7 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 5,775 bilhões do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).