Dólar sobe ante real com correção por noticiário eleitoral

iStock
O dólar avançou 1,42%, a R$ 3,7635 na venda, depois de marcar a máxima de R$ 3,7664

O dólar terminou o dia (10) em alta ante o real, em um movimento de correção após as quedas recentes alimentado pela inquietação com declarações do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) sobre a Previdência e à espera da pesquisa Datafolha de intenção de votos para o segundo turno da eleição.

LEIA MAIS: Dólar sobe ante real à espera de pesquisa Datafolha

O dólar avançou 1,42%, a R$ 3,7635 na venda, depois de marcar a máxima de R$ 3,7664. Em outubro até a véspera, a moeda havia recuado 8,09%. O dólar futuro tinha alta de cerca de 1,15%.

Na véspera, Bolsonaro falou a jornalistas sobre a reforma da Previdência, afirmando que a atual proposta do presidente Michel Temer dificilmente será aprovada.

“Eu, chegando lá, vou procurar o governo para aprovar uma reforma da Previdência que tenha aceitação do Parlamento e a população entenda como sendo justa e necessária”, disse Bolsonaro, aventando a possibilidade de aumentar o tempo de serviço do serviço público.

Na avaliação do mercado, as declarações do candidato do PSL vão na contramão da visão de seu coordenador econômico, o economista liberal Paulo Guedes. A preferência do mercado por Bolsonaro é justamente apoiada em Guedes, com a expectativa de que eles imponham uma agenda de reformas, corte de gastos e ajuste fiscal.

“Desta forma, ele se coloca numa posição de antagonismo à de seu assessor econômico, que é mais agressivo (no que se refere à reforma da Previdência)”, explicou o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

VEJA TAMBÉM: Dólar tem nova queda e termina a R$ 3,71

O deputado reeleito Onyx Lorenzoni (DEM-RS), cotado para assumir o Ministério da Casa Civil em um futuro governo Bolsonaro, já havia dito que, se eleito, Bolsonaro tratará da Previdência a partir de 1º de janeiro de 2019.

Nesta tarde, no entanto, o presidente do PSL, Gustavo Bebianno, disse que Guedes pode conversar com o governo Temer sobre reforma da Previdência.

Também pesou nos negócios a notícia da “Folha de S.Paulo” de que Guedes está sendo investigado pelo Ministério Público Federal em Brasília por suspeita de associar-se a executivos ligados a PT e MDB para praticar fraudes em negócios com fundos de pensão de estatais.

“Tudo ainda é muito incipiente. Se o mercado estivesse mais estressado, o dólar estaria muito mais pressionado”, completou Gomes da Silva, para quem “o viés segue sendo de baixa para o dólar porque o mercado ainda crê na vitória de Bolsonaro no segundo turno”.

Bolsonaro não vai participar do debate nesta semana contra Fernando Haddad. A junta médica que o atende após uma facada durante campanha em primeiro turno não o liberou para atividades de campanha eleitoral. Ele será reavaliado novamente na próxima quinta-feira (18) e deve ser liberado, segundo a junta médica.

Sob a influência do noticiário eleitoral, o mercado aguardava a divulgação, às 19h, de pesquisa Datafolha, a primeira após o primeiro turno da eleição presidencial.

E TAMBÉM: Dólar recua abaixo de R$3,75 com otimismo eleitoral

“Qualquer coisa menor do que seis pontos (percentuais) entre os dois nomes terá um impacto negativo”, avaliou o diretor de Tesouraria de um banco estrangeiro.

No exterior, o dólar também subia ante as divisas de países emergentes, como o rand sul-africano e o peso mexicano. Ante a cesta de moedas, o dólar caía.

O Banco Central ofertou e vendeu integralmente nesta sessão 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 3,080 bilhões do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).