Dólar sobe com maior aversão ao risco no exterior

iStock
“Os investidores seguem na ‘lua de mel’ com Jair Bolsonaro (PSL) na corrida presidencial, mas muito dificilmente irão ignorar o cenário internacional”, já havia adiantado no início do dia a H.Commcor Corretora em relatório

O dólar encerrou o dia (23) em alta ante o real, após duas quedas consecutivas, em sintonia com o movimento de maior aversão ao risco no exterior, com preocupações com China, Itália e Brexit, mas tendo como pano de fundo o otimismo com o desfecho eleitoral doméstico.

LEIA MAIS: Dólar tem leves oscilações ante real

A moeda norte-americana avançou 0,27%, a R$ 3,6970 na venda, depois de cair 1,01% nas duas sessões anteriores. Na máxima, a moeda foi a R$ 3,7239. O dólar futuro subia cerca de 0,20%.

“Os investidores seguem na ‘lua de mel’ com Jair Bolsonaro (PSL) na corrida presidencial, mas muito dificilmente irão ignorar o cenário internacional”, já havia adiantado no início do dia a H.Commcor Corretora em relatório.

No exterior, o dólar tinha leve baixa ante a cesta de moedas, e operava misto ante divisas emergentes, em alta ante o peso argentino, rublo e com destaque para a lira turca, em meio à expectativa de que um discurso do presidente turco, Tayyip Erdogan, forneça mais detalhes sobre a investigação do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul.

Também estavam preocupando os agentes o desempenho da economia chinesa e o impasse para a saída do Reino Unido da União Europeia, além da situação italiana.

VEJA TAMBÉM: Dólar cai e fecha a R$ 3,6872 com otimismo eleitoral

A Comissão Europeia rejeitou hoje a proposta orçamentária da Itália para 2019 porque o plano infringe as regras da União Europeia de forma “nunca vista antes”, e pediu que Roma envie uma nova proposta dentro de três semanas ou enfrente medida disciplinares.

A Itália, por sua vez, reconheceu que seu plano de orçamento viola as regras da UE, mas insistiu que ainda seguirá em frente com ele.

ELEIÇÕES

Internamente, os investidores já colocaram no preço a maior parte da expectativa de vitória de Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial, no próximo domingo (28), embora a confirmação do fato abra espaço para alguma queda adicional do dólar ante o real.

Desta forma, as últimas pesquisas eleitorais têm sido acompanhadas para captar algum efeito-surpresa, visto que a ampla vantagem do capitão da reserva já não é mais novidade. Na noite de hoje sai novo levantamento Ibope/Estadão/TV Globo.

E AINDA: Dólar recua ante real por favoritismo de Bolsonaro

O novo, assim, fica com o noticiário político, com a formação da equipe do próximo governo e medidas que serão implementadas, com o mercado interessado principalmente no ajuste fiscal.

O Banco Central vendeu nesta sessão 7,7 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 6,16 bilhões do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).