Dólar tem 3ª queda seguida e fecha abaixo de R$ 3,90

iStock
O dólar recuou 1,20%, a R$ 3,8876 na venda nesta quarta-feira (3)

O dólar terminou em queda pela terceira sessão consecutiva e abaixo de R$ 3,90 reais hoje (3), com mais uma pesquisa eleitoral mostrando avanço do candidato do PSL Jair Bolsonaro na corrida à Presidência da República.

LEIA MAIS: Dólar recua bem e opera abaixo de R$ 3,85

O dólar recuou 1,20%, a R$ 3,8876 na venda, no menor valor do dólar ante o real desde 14 de agosto, quando fechou a R$ 3,8669. Nestes três pregões, acumulou queda de 3,70%.

Na mínima da sessão, a moeda chegou a ser cotada a R$ 3,8229. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 1,30%. “O Datafolha confirmou o Ibope e isso está trazendo euforia ao mercado… que já começa a precificar a possibilidade de vitória (de Bolsonaro) no primeiro turno”, disse a estrategista de câmbio do banco Ourinvest, Fernanda Consorte.

A expectativa de que a cautela iria predominar nos mercados antes do primeiro turno foi substituída pelo entusiasmo nos três pregões desta semana, com investidores fazendo apostas mais fortes de vitória de Jair Bolsonaro (PSL) também no segundo turno da eleição presidencial, diante das novas pesquisas.

O Datafolha divulgado na véspera mostrou que Bolsonaro ampliou sua vantagem na liderança e chegou a 32% das intenções de voto, de 28% antes. Enquanto isso, o candidato do PT, Fernando Haddad, oscilou negativamente 1 ponto, a 21%.

Na simulação de segundo turno, Bolsonaro aparece à frente de Haddad, com 44% a 42%, mas em empate técnico. No levantamento anterior, o petista vencia por 45% a 39%. Além disso, a rejeição de Haddad aumentou.

VEJA TAMBÉM: Dólar tem maior queda em três meses e meio e fecha a R$ 3,93

Ontem (2), o dólar já havia fechado no menor valor desde 17 de agosto, a R$ 3,9349, após pesquisa Ibope ter mostrado cenário similar.

Nova pesquisa Ibope é esperada para hoje (3), e outro levantamento do Datafolha sai amanhã (4), para citar algumas.

À tarde, a alta do dólar no exterior acabou influenciando uma realização de lucros no mercado doméstico, após dados robustos sobre o mercado de trabalho norte-americano, que também içaram o rendimento dos Treasuries e a percepção de aumento de juros nos Estados Unidos em dezembro.

O dólar também subia ante emergentes, como o peso chileno e a lira turca.

O Banco Central ofertou e vendeu integralmente nesta sessão 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 1,155 bilhão do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).