Dólar tem nova baixa ante real

iStock
Na mínima de hoje, a moeda marcou R$ 3,6922, mas o patamar acabou atraindo compradores

O dólar terminou o dia (16) em baixa pelo segundo pregão consecutivo, mas longe da mínima do dia, quando foi abaixo de R$ 3,70, sob influência do ambiente mais positivo no exterior e após nova pesquisa eleitoral consolidar o cenário de ampla vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa à Presidência da República.

LEIA MAIS: Dólar vai abaixo de R$ 3,70 com vantagem de Bolsonaro

A moeda norte-americana recuou 0,37%, a R$ 3,7203 na venda, acumulando, nestes dois pregões, queda de 1,55%. No mês até agora, o dólar já ficou 7,85% mais barato ante o real.

Na mínima de hoje, a moeda marcou R$ 3,6922, mas o patamar acabou atraindo compradores. O dólar futuro tinha queda de cerca de 0,50%.

“O Ibope deu praticamente como certa a eleição de Bolsonaro”, afirmou o sócio da assessoria de investimentos Criteria Investimentos, Vitor Miziara, ao acrescentar que essa leitura justificou o mercado testar o suporte de R$ 3,70 nesta sessão. “Passada a eleição, poderemos ver um fluxo de venda no dólar, mas com menor volume, já que os investidores começam a colocar nos preços a expectativa pelo plano do novo governo, principalmente reforma da Previdência”, acrescentou.

Na noite de ontem (15), o levantamento do Ibope mostrou que Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, contra 41% de Fernando Haddad (PT), repetindo o quadro apontado na véspera em pesquisa encomendada pelo BTG Pactual.

A preferência do mercado financeiro por Bolsonaro é apoiada no seu coordenador econômico, o economista liberal Paulo Guedes, e a expectativa é de que eles imponham uma agenda de reformas, corte de gastos e ajuste fiscal.

VEJA TAMBÉM: Dólar recua mais de 1% ante real

“Outra medição que vem chamando a atenção é a rejeição de Haddad, que tem superado a do candidato do PSL em praticamente todos os estudos para o segundo turno….(e) ajuda a alavancar apostas de que dificilmente o PT ‘virará o jogo’ até o dia 28”, escreveu o operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado, em relatório.

“Com esse estudo consolidando – mas não fortalecendo – a leitura otimista de investidores, o mercado tende a manter a resiliência de ativos locais, mas sem deixar de observar o clima no exterior”, acrescentou.

Fora do país, o dia foi marcado pela busca por ativos de maior risco, o que faz o dólar perder força ante as divisas de países emergentes, como os pesos chileno e mexicano. Ante a cesta de moedas, a moeda rondava a estabilidade.

O Banco Central ofertou e vendeu integralmente nesta sessão 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 4,235 bilhões do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).