Dólar tem nova queda e termina a R$ 3,71

iStock
O dólar recuou 1,47%, a R$ 3,7107 na venda, menor valor desde 3 de agosto

O dólar teve mais uma sessão de forte queda e terminou em R$ 3,71 hoje (9), com os investidores ainda ecoando os resultados do primeiro turno das eleições, no domingo (7), que deram força às apostas de um presidente mais comprometido com as reformas.

LEIA MAIS: Dólar recua abaixo de R$ 3,75 com otimismo eleitoral

O dólar recuou 1,47%, a R$ 3,7107 na venda, menor valor desde os R$ 3,7071 de 3 de agosto. Foi a sexta queda em sete sessões neste mês, acumulando em outubro baixa de 8,09%.

Na mínima da sessão, a moeda foi a R$ 3,7017. O dólar futuro caía 1,77%.

“O otimismo doméstico está se sobrepondo ao exterior. É muito recente o resultado de domingo”, disse o operador da H.Commcor Corretora Cleber Alessie Machado, acrescentando que o fato de o dólar ter fechado longe das mínimas na véspera favoreceu o movimento nesta sessão.

No domingo (7), o primeiro turno das eleições terminou com Jair Bolsonaro (PSL) com 46% dos votos e Fernando Haddad (PT), que vai disputar com ele o segundo turno, com pouco mais de 29%. Além disso, o partido de Bolsonaro terminou com a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados.

A preferência do mercado financeiro por Bolsonaro é apoiada no seu coordenador econômico, o economista liberal Paulo Guedes, e a expectativa é de que eles imponham uma agenda de reformas, entre elas a da Previdência, corte de gastos e ajuste fiscal.

VEJA TAMBÉM: Dólar cai e volta a R$ 3,76 com possibilidade de vitória de Bolsonaro

“Embora Bolsonaro tenha uma realidade que o coloca muito próximo de ser o vitorioso no próximo dia 28, o mercado deve reagir a quaisquer sinalizações de um segundo turno ‘dividido’, o que acaba por alimentar expectativas com o Datafolha de amanhã (10)”, acrescentou Alessie Machado, citando a primeira pesquisa de intenção de voto após o primeiro turno.

Em entrevista a uma rádio hoje (9), Bolsonaro voltou a reafirmar que acredita na democracia e criticou seu adversário, que, em sua opinião, seria tutelado num eventual governo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Também falando a uma rádio, Haddad disse que o Ministério da Fazenda num eventual governo seu será comandado por um nome ligado à produção e com perfil diferente do economista Paulo Guedes, que chancela a área econômica de Bolsonaro.

No exterior, o dólar, que subiu parte da sessão ante a cesta de moedas, perdeu força e registrava pequena baixa à tarde. Também aliviou a pressão ante as divisas de países emergentes, favorecendo ainda mais o recuo ante o real.

As preocupações com o orçamento italiano e o corte das previsões de crescimento global feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), inclusive para o Brasil, em 2018 e 2019, influenciaram o humor dos agentes no exterior hoje (9).

E TAMBÉM: Dólar desaba 3% ante real na abertura após 1º turno

O Banco Central ofertou e vendeu integralmente nesta sessão 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 2,695 bilhões do total de US$ 8,027 bilhões que vence em novembro.

Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).