Dólar volta a recuar ante real com pesquisa eleitoral

Reuters
Levantamento Datafolha divulgado na véspera mostrou que o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) tem 59% dos votos válidos

O dólar operava em queda ante o real na manhã de hoje (19), após sofrer correção na véspera, com o otimismo do mercado em torno da eleição presidencial voltando a prevalecer e acompanhando a trajetória no exterior ante divisas de países emergentes. Às 10h34, o dólar recuava 0,38%, a R$ 3,7107 na venda, depois de terminar a véspera em alta de 1,16%, a R$ 3,7250, interrompendo sequência de três quedas. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,30%.

LEIA MAIS: Com o dólar caro, vale a pena obter financiamento no exterior?

“Quando a moeda recua abaixo de R$ 3,70, acaba atraindo comprador. Mas há potencial para ela cair mais e beliscar os R$ 3,50 com as eleições, dependendo dos nomes da equipe técnica”, disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo. Na mínima da sessão, pouco depois da abertura, o dólar chegou a ultrapassar 1% de retração, a R$ 3,6878, para pouco a pouco recuperar o nível de R$ 3,70.

Levantamento Datafolha divulgado na véspera mostrou que o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) tem 59% dos votos válidos, contra 41% do petista Fernando Haddad, ratificando resultado apontado por outras pesquisas desde o primeiro turno. Ainda segundo o instituto, Haddad apresenta uma taxa de rejeição de 54%, enquanto Bolsonaro tem 41%. Levantamento da XP Investimentos divulgado nesta sessão também confirmam a dianteira de Bolsonaro, com Bolsonaro 16 pontos à frente de Haddad.

O mercado vê com bons olhos os resultados das pesquisas uma vez que considera que o candidato com mais chances de implementar uma agenda reformista seria Bolsonaro (PSL), devido principalmente à sua escolha de Paulo Guedes como principal assessor econômico.

No exterior, o dólar tinha leve alta ante a cesta de moedas e caía ante as divisas de países emergentes, como os pesos chileno e o rublo russo. O movimento do governo chinês para acalmar o mercado após dados mais fracos do país tinha efeito sobre os emergentes.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de novembro, no total de US$ 8,027 bilhões. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).