Empresas da zona do euro perdem força em outubro

Tony Gentile/Reuters
Imagem ilustrativa de moedas de euro

O crescimento empresarial da zona do euro perdeu muito mais força do que o esperado ao entrar no último trimestre de 2018, pressionado pelo enfraquecimento das encomendas, o que afetou a confiança, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) hoje (24). A desaceleração acontece em meio à intensificação da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, a disputa sobre a dívida na Itália e a perspectiva de aperto das condições financeiras.

LEIA MAIS: Comissão Europeia quer que euro desafie o dólar

“Existe uma ampla gama de fatores que estão prejudicando a demanda. As guerras comerciais e tarifas são as preocupações mais citadas”, disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit, que compila a pesquisa.

O PMI Composto preliminar do IHS Markit caiu para mínima de 25 meses de 52,7 ante 54,1 em setembro, bem abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters 53,9. A previsão mais baixa era de 53,2. Qualquer coisa acima de 50 na pesquisa indica crescimento. Sugerindo que as empresas não esperam recuperação em breve, o índice de produção futura, que avalia o otimismo, caiu de 62,1 para a mínima em quase quatro anos de 59,4.

A indústria teve resultado similar com o PMI do setor caindo para 52,1 de 53,2 e expectativa de 53,0, uma vez que as encomendas contraíram pela primeira vez desde o final de 2014. Para o setor de serviços, o cenário foi parecido, com o PMI recuando para a mínima de dois anos de 53,3 ante 54,7 em setembro e projeção de 54,5.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).