Governo dos EUA evita chamar China de manipuladora

Hyungwon Kang/Reuters
Bandeiras da China e dos Estados Unidos, em poste de Washington, em 18/01/2011

O governo dos Estados Unidos evitou classificar a China ou qualquer outro parceiro comercial como manipulador cambial, conforme aposta em tarifas de importação para tentar reduzir o déficit comercial com a China. Em seu relatório cambial semianual, o Departamento do Tesouro dos EUA disse que a recente depreciação do iuan chinês vai provavelmente exacerbar o déficit comercial dos EUA, mas que autoridades norte-americanas acham que Pequim parece estar fazendo pouco para intervir diretamente no valor da moeda.

LEIA MAIS: China registra superávit comercial recorde com os EUA

O presidente dos EUA, Donald Trump, tem afirmado que o avanço da China como potência exportadora tem prejudicado os trabalhadores norte-americanos, e desde que assumiu o poder tem determinado tarifas sobre mais de US$ 200 bilhões em importações chinesas.

“De particular preocupação é a falta de transparência cambial da China e a recente fraqueza de sua moeda”, disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Desde que o último relatório do Tesouro foi divulgado em 13 de abril, o iuan caiu mais de 9% contra o dólar. Na última semana, a moeda se aproximou de 7 por dólar, nível que não é quebrado desde 2008.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).