Klabin aposta em embalagem para comércio eletrônico

Nacho Doce/Reuters
Funcionários trabalhando na sede do Mercado Livre, em São Paulo

A Klabin, maior fabricante de papel para embalagens do país, está ampliando atuação com os maiores nomes do comércio eletrônico, de olho na tendência de aumento na demanda pelo insumo nas compras online. A empresa, que já fornece caixas de papelão ondulado e sacos de papel kraft para grandes empresas, está vendendo embalagens para grandes sites de varejo e avalia lançar uma plataforma para venda de pequenos volumes diretamente aos consumidores.

LEIA MAIS: Klabin tem prejuízo de R$ 955 milhões

“Hoje a venda do e-commerce representa 4% do total das vendas no varejo brasileiro. Tem muito potencial. Países como Estados Unidos e China têm índices muito mais elevados”, disse a diretora de embalagem de papelão ondulado da Klabin, Gabriella Michelucci.

Segundo ela, atualmente o volume de embalagens da empresa para o comércio eletrônico representa apenas 1% de todo o volume vendido por ela no Brasil, ou 6 mil toneladas. Mas com o avanço de marketplaces de empresas como Mercado Livre, que oferecem infraestruturas para venda de quase tudo pela Internet, a Klabin antevê crescimento na demanda do canal.

Com o Mercado Livre, por exemplo, a Klabin acertou parceria há cerca de um ano para fornecer caixas de papelão para os principais vendedores da plataforma. O volume inicial de 100 mil caixas mensais triplicou no mês passado e deve avançar a 1 milhão em 2019, disse Antonio Sergio Garupe, gerente de gestão de demanda da Klabin.

LEIA TAMBÉM: Lucro da Klabin cai 79% no 1º trimestre

A Klabin, que no Brasil compete com grupos internacionais como International Paper e WestRock, também está vendendo desde abril lotes de caixas de 50 a 200 unidades no Mercado Livre, voltadas a outros usuários do site. Neste caso, o volume de 29 mil caixas mensais passou a 140 mil em setembro.

“A parceria permite que uma empresa do tamanho da Klabin possa atender o consumidor final”, disse Michelucci, adicionando que a empresa ainda não tem previsão de quando os estudos de viabilidade para implantação de uma plataforma de venda online de produtos de papel a consumidores ficarão prontos.

O movimento da Klabin em direção a consumidores finais guarda semelhanças com avanços de rivais no setor. A Suzano iniciou neste ano venda de papel higiênico com marca própria nas regiões Norte e Nordeste do país.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).