Lucro da Delta supera previsões com controle de gastos

Forbes
A Delta lucrou US$ 1,80 por ação, acima da estimativa média de analistas de US$ 1,74

A Delta Air Lines anunciou hoje (11) que vai voltar a ter crescimento das margens em 2019, após anunciar um aumento do lucro acima das estimativas devido à forte demanda e controles rígidos de custos, levando as ações a subirem.

LEIA MAIS: Delta tem queda de 13,6% no lucro do trimestre

Com os preços do petróleo perto dos níveis mais altos em quatro anos, a Delta e rivais como a American Airlines e Southwest estão enfrentando um aumento nos custos de combustível que está pesando nos lucros, mesmo com a forte demanda por viagens aéreas.

Para combater esse vento contrário, as companhias aéreas aumentaram os preços das passagens, adotaram aviões com consumo menor de combustível e aumentaram as taxas de bagagem.

“Nosso ímpeto comercial e melhor trajetória de custos nos dão confiança de que estamos no caminho para entregar expansão contínua da receita e expandir as margens à medida que avançamos para 2019”, disse o executivo-chefe da Delta, Ed Bastian.

O lucro líquido subiu para US$ 1,31 bilhão, ou US$ 1,91 por ação, no terceiro trimestre, ante US$ 1,16 bilhão, ou US$ 1,61 por ação, um ano antes.

Em uma base ajustada, a Delta lucrou US$ 1,80 por ação, acima da estimativa média de analistas de US$ 1,74 , segundo dados do Refinitiv.

VEJA TAMBÉM: Delta lança gestora e quer operar R$ 5 bi em fundos até 2023

A receita operacional ajustada subiu 8%, para o recorde histórico de US$ 11,8 bilhões, impulsionada por um aumento nas receitas domésticas e transatlânticas.

As viagens corporativas permaneceram fortes nos Estados Unidos e a demanda não deve ser prejudicada pelo aumento das taxas de juros no país, disse a companhia aérea.

A Delta afirmou que manterá o crescimento do custo unitário, excluindo combustíveis, abaixo de 2% no ano que vem.

A empresa espera que a capacidade global suba cerca de 3% em 2019, e disse que está substituindo aviões mais velhos e estreitos por aeronaves maiores e mais eficientes A321, da Airbus, e 737-900s, da Boeing, até 2020. A medida vai permitir uma melhora de quase 15% no custo do assento, disseram executivos.

E AINDA: Delta endurece regras para viagem de animais de assistência emocional

A Delta disse esperar lucro de US$ 1,10 a US$ 1,30 por ação no quarto trimestre, em linha com as estimativas, e um crescimento anual de receita de cerca de 8% em relação a 2017.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).