Nestlé tem alta de 2,9% nas vendas no 3º tri

O grupo suíço confirmou meta de crescimento de 3% para este ano

A chefe para Ásia da Nestlé, Wan Ling Martello, tirou o brilho do crescimento de vendas da maior empresa de alimentos embalados do mundo ao anunciar hoje (18) que está deixando a companhia.

LEIA MAIS: Coca e Nestlé: as maiores produtoras de lixo plástico

A empresa disse que está vendo um melhor momento na América do Norte e no segmento de nutrição infantil globalmente, conforme registrou crescimento de vendas de 2,9% no terceiro trimestre, acima dos 2,6% no segundo trimestre e em linha com as previsões da Reuters.

Os números da Nestlé foram ofuscados pela saída de Wan Ling, que foi vice-presidente financeira da marca e, mais recentemente, conduziu uma revitalização na região de rápido crescimento formada pela Ásia-Oceania-África (AOA) desde 2015. Quando a norte-americana deixar a empresa no final do ano, ela será substituída por Chris Johnson, que está na Nestlé há 35 anos e atualmente é chefe de recursos humanos e serviços corporativos do grupo.

A Zona AOA foi a região de maior crescimento da Nestlé durante o trimestre, com vendas orgânicas em alta de 4,4% – ajudadas pelo crescimento mais rápido na China, onde a nutrição infantil e produtos de café tiveram bom desempenho. “Nossos negócios na China continuaram a crescer a um ritmo de um dígito”, disse o presidente-executivo Mark Schneider em comunicado.

Enquanto isso, a região da América Latina viu crescimento orgânico positivo e acelerou o ritmo de vendas para cerca de 5% no terceiro trimestre. “Apesar de um ambiente desafiador, o Brasil teve crescimento positivo no terceiro trimestre”, afirmou a Nestlé no balanço.

O grupo suíço confirmou meta de crescimento de 3% para este ano.

VEJA TAMBÉM: Nestlé quer vender unidade de saúde da pele

A rival Unilever relatou também hoje uma recuperação de receita do terceiro trimestre, conforme foi capaz de repassar maiores custos de commodities aos consumidores. A francesa Danone disse ontem (17) que a demanda mais baixa por alimentos para bebês na China e um boicote dos consumidores no Marrocos diminuíram o crescimento das vendas no terceiro trimestre.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).