Pintura de Banksy se “autodestrói” após ser vendida por £ 1 milhão

Foto reprodução Instagram
Pintura foi sugada pelo triturador escondido na moldura do quadro.

Pintura do misterioso artista britânico Banksy se “autodestruiu” no momento em que foi vendida por mais de 1 milhão de libras em um leilão em Londres na última sexta-feira (05).

VEJA TAMBÉM: Como Allison Zuckerman reescreve a história da arte

Espectadores se chocaram e riram após a parte inferior de “Girl with Ballon”, um dos trabalhos mais conhecidos de Banksy, ser sugada por um triturador escondido na moldura assim que o martelo foi batido, informou a casa de leilões Sotheby’s.

A pintura de 12 anos havia acabado de ser vendida por £ 1,042 milhão – igualando o recorde de todos os tempos de Banksy.

“Parece que fomos ‘Baksy-ados’”, disse Alex Branczik, diretor sênior e chefe de arte contemporânea, em comunicado no site da Sotheby’s.

O próprio artista publicou uma foto no Instagram de espectadores chocados olhando a pintura se desintegrar, com a legenda: “Indo, indo, foi…”.

E AINDA: O bilionário que toca seus negócios com um olho na arte

A Sotheby’s informou que esta foi “certamente” a primeira vez que uma obra de arte começou a se triturar após ser vendida.

Arte pop irá se consumir

Imagens de vídeos mostravam dois homens retirando a pintura rapidamente após a venda, com pedaços da obra pendurados na parte inferior da moldura.

A casa de leilões não estava imediatamente disponível para comentários sobre o paradeiro dos restos da pintura, ou como seu valor pode ser alterado após sua autodestruição.

Banksy, cuja identidade verdadeira é desconhecida, é famoso por grafites irônicos de temas políticos feitos em ruas, que incluem na barreira israelense na Cisjordânia e na Disneylândia, onde pintou uma figura em tamanho real de um preso da Baía de Guantánamo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).