Quem foi o dono do Leicester City, morto em acidente

Michael Regan / Getty Images
Vichai Srivaddhanaprabha acompanha o jogo da Premier League entre Leicester City e West Ham United no The King Power Stadium, em 5 de maio de 2018 em Leicester, Inglaterra

O magnata tailandês Vichai Srivaddhanaprabha, o dono do clube de futebol Leicester City, estava entre as cinco pessoas a bordo de um helicóptero que explodiu em uma bola de chamas no sábado (27). Também a bordo estava uma das duas filhas de Vichai, dois pilotos e uma quinta pessoa ainda não identificada. O helicóptero caiu alguns metros do campo no estacionamento do clube, cerca de uma hora depois de um jogoda Premier League.  A morte foi confirmada na noite de ontem (28) pelo Leicester City.

LEIA MAIS: 23 times de futebol de bilionários

Vichai, pai de quatro filhos e fundador do gigante de duty free King Power International, se tornou querido pelos fãs do futebol depois de comprar o time azarão inglês em 2010 e surpreender o mundo ao conquistar o título da Premier League em 2016. O empresário costumava usar o helicóptero em dias úteis para viajar entre o estádio e Londres.

Nascido Vichai Raksriaksorn, ele mudou seu sobrenome quando a monarquia concedeu-lhe o honorífico Srivaddhanaprabha, que significa “luz da glória progressista”. Vichai ficou em 5º lugar na lista dos ricos da Tailândia em maio deste ano, com uma fortuna estimada em US$ 5,2 bilhões. Seu império de negócios cresceu puxado principalmente pela King Power, a principal operadora de lojas duty-free do país. O King Power foi iniciado no final dos anos 1980, quando Vichai se associou a um grupo de Hong Kong, comprou uma concessão para vender produtos isentos de impostos e mais tarde abriu sua primeira loja duty-free em Bangkok.

A King Power já foi uma empresa pública listada na Bolsa de Valores norte-americana, com operações em Hong Kong, Macau, Cingapura e Camboja. Vichai e outros acionistas tailandeses travaram uma batalha legal de dois anos e gastaram milhões para recomprar a companhia de outros acionistas e privatizá-la em 2003. Outro ponto de virada veio em 2006, quando a King Power recebeu a concessão para operar as movimentadas lojas duty-free e lojas de varejo no Aeroporto Suvarnabhumi de Bangkok pelo governo do então primeiro-ministro Thaksin Shinawatra. Embora o contrato da empresa deva terminar em 2020, a King Power já cresceu e atingiu US$ 3,3 bilhões em receitas anuais.

Vichai também possuía uma participação minoritária na unidade tailandesa da AirAsia, a operadora de orçamento controlada pelo extravagante empresário Tony Fernandes, da Malásia.

Fora de seu país, Vichai era mais conhecido por ter comprado o Leicester City, clube de futebol inglês medíocre e endividado em 2010, que fez história esportiva seis anos depois ao conquistar o campeonato inglês, o primeiro título do clube em seus 132 anos de história.

A folha de pagamento de Leicester City estava entre as mais baixas do campeonato — US$ 70 milhões, cerca de um quarto do que o Manchester United e o Chelsea gastaram na época. Em vez de gastar muito para os grandes nomes, Vichai nomeou Claudio Ranieri treinador e jogadores relativamente desconhecidos como o atacante Jamie Vardy, que bateu o recorde de gols consecutivos e foi eleito o melhor da temporada 2015-16.

Depois de receber a notícia da tragédia, Vardy postou no Instagram: “Lutando para encontrar as palavras certas… Mas para mim você é uma lenda, um homem incrível que tinha o maior coração, a alma do Leicester City Football Club. Obrigado por tudo que você fez por mim, minha família e nosso clube. Eu realmente sentirei sua falta… que você descanse em paz… # theboss

Os torcedores do Leicester City visitaram o estádio no domingo para levar flores e lenços com o emblema do clube, juntamente com mensagens de agradecimento à família de Vichai.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).