Recuo de 8% do dólar em outubro preocupa investidor

Reuters
Mercado prefere Jair Bolsonaro por acreditar que ele será mais reformista

A expectativa dos investidores de que o segundo turno da corrida presidencial, no próximo domingo, termine com a vitória de Jair Bolsonaro (PSL), com Paulo Guedes chefiando a equipe econômica, fez o dólar furar um piso importante neste mês e trouxe de volta discussões sobre a atuação do Banco Central no câmbio. O BC atuou intensamente no câmbio no segundo trimestre deste ano, por meio da oferta de swap cambial tradicional – equivalente à venda futura de dólares – para tentar conter o nervosismo dos investidores com as incertezas eleitorais que pressionavam fortemente a cotação da moeda norte-americana.

LEIA MAIS: Como fugir da alta do dólar em viagens para o exterior

“Muito do que foi ofertado em swap cambial (neste ano) não estava atrelado a nenhum passivo. Agora, com a derrocada do dólar, o investidor precisa sair dessa posição”, disse o economista e sócio da NGO Corretora, Sidnei Nehme.

O estoque atual de swap cambial tradicional é de US$ 68,86 bilhões, segundo o Banco Central, dos quais pouco mais de US$ 43 bilhões foram injetados em leilões extraordinários entre 14 de maio a 22 de junho, em meio ao nervosismo dos investidores por causa das eleições. Na ocasião, a atuação do BC gerou críticas de alguns especialistas, avaliando que a oferta da autoridade monetária estava favorecendo a atuação de especuladores.

Novo cenário

A campanha eleitoral acabou ficando um pouco diferente do que imaginavam os investidores, que viam em Geraldo Alckmin (PSDB) a melhor opção para ajustar as contas públicas. Sem decolar, o tucano foi sendo substituído na preferência do mercado por Bolsonaro, que chegou na frente no primeiro turno tendo consigo o economista Paulo Guedes, que é cotado para ser o ministro da Fazenda, caso o candidato do PSL vença a eleição.

O dólar, que chegou a bater recorde do Plano Real em 13 de setembro, a R$ 4,1957, passou a perder força e caiu abaixo de R$ 3,70, acumulando no mês até esta terça-feira queda preliminar de quase 8,5% — a maior desde junho de 2016 (-11,05%). Com isso, começou a crescer a percepção de que há espaço para o BC fazer rolagem apenas parcial, reduzindo o estoque total em swaps.

“Com o recuo do dólar, faz sentido o mercado começar a pensar nisso (redução da oferta de swap para rolagem), mas não quer dizer que seja algo concreto”, avaliou o operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado.

Segundo ele, faria mais sentido o BC esperar o término das eleições e o comportamento do mercado para definir o que fazer. “O BC pode manter a rolagem integral… ir observando, ser mais prudente”, e depois definir o próximo passo, disse Machado.

Em dezembro, vencem US$ 12,217 bilhões em swaps cambiais. Nos últimos meses, para impedir qualquer tipo de especulação sobre a atuação do BC e limitar os ruídos no mercado, a autoridade tratou de sinalizar que logo pretendia fazer a rolagem integral dos vencimentos. “Acho que o BC está bastante confortável para esperar antes de se decidir”, disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado. “A tendência é de queda, o BC tem tempo para decidir”, concluiu.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).