Resgate do Nafta por EUA e Canadá ‘acalma’ o dólar

Reuters
Semana promete oscilações para moeda norte-americana, com novas pesquisas às vésperas das eleições

 

O dólar operava com leves oscilações ante o real hoje (1º), neste primeiro pregão de outubro, com a cautela gerada pela aproximação do primeiro turno da eleição presidencial suavizada pelo otimismo no cenário internacional, graças à renovação do Nafta, o acordo comercial entre Estados Unidos, Canadá e México. No exterior, o dólar rondava a estabilidade ante a cesta de moedas, mas cedia ante as divisas de países emergentes, com os investidores mais animados depois que EUA e Canadá fecharam acordo no domingo e resgataram uma zona de livre comércio entre três países de US$ 1,2 trilhão.

LEIA MAIS: Com o dólar caro, vale a pena obter financiamento no exterior?

No Brasil, às 10h29, a moeda norte-americana avançava 0,21%, a R$ 4,0455 na venda, depois de recuar 0,87% em setembro, terminando o último pregão do mês cotado a R$ 4,0371. O dólar futuro tinha queda de cerca de 0,10%.

Pesquisas eleitorais devem continuar a influenciar o movimento do real, fator que deverá trazer volatilidade para o mercado ainda esta semana, segundo a Fair Corretora de Câmbio em relatório. Ibope e Datafolha vão se revezar nesta semana com novos levantamentos de intenção de votos, a começar pelo primeiro nesta segunda-feira.

O levantamento mais recente foi divulgado hoje (1º) pelo BTG Pactual e mostrou que o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, manteve a liderança nas intenções de voto no primeiro turno à frente de Fernando Haddad (PT), mas agora com 7 pontos de diferença ante 10 pontos na semana passada. Dois outros levantamentos saíram nos últimos dias: o Datafolha na sexta-feira mostrou que Bolsonaro segue na liderança no primeiro turno, seguido por Haddad, mas que na segunda etapa a vitória seria do petista.

Já o levantamento do CNT/MDA no domingo apontou empate técnico de Bolsonaro — que recebeu alta do hospital no sábado — com Haddad, também com vitória do petista no segundo turno.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 7,7 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de novembro, no total de US$ 8,027 bilhões. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).