Stone salta 30% em estreia na Nasdaq

iStock
A Stone vendeu 50,72 milhões de ações na véspera, por valor acima da faixa indicativa, captando US$ 1,22 bilhão

As ações da Stone chegaram a disparar mais de 30% em sua estreia hoje (25) na bolsa norte-americana Nasdaq, avaliando a processadora brasileira de cartões em quase US$ 9 bilhões.

LEIA MAIS: Brasileira Stone levanta US$ 1,5 bi em IPO nos EUA

Os papéis abriram a US$ 32, um terço acima do valor precificado em sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de US$ 24.

A Stone vendeu 50,72 milhões de ações na véspera, por valor acima da faixa indicativa, captando US$ 1,22 bilhão, que espera usar para aquisições. Sócios da empresa venderam 4,8 milhões de ações.

A Stone atraiu nomes famosos para o IPO como a Ant Financial, subsidiária de pagamento da gigante de e-commerce chinesa Alibaba, que aportou US$ 100 milhões na operação, e a Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, que demonstrou interesse em comprar até 14,2 milhões de ações.

A Berkshire não estava disponível para comentar o assunto.

A Stone, que atende mais de 200 mil comerciantes online e em unidades físicas, faz de processamento de pagamentos, incluindo máquinas para pontos de venda e serviços de meios de pagamentos. Ela é controlada pelos fundadores André Street e Eduardo Pontes.

VEJA TAMBÉM: Brasileira Stone espera atrair Warren Buffett em IPO

A Madrone Capital Partners, empresa de investimentos dos EUA que administra parte da fortuna da família Walton, controladora do Walmart, tem uma fatia de 5,3% nas ações de classe A da Stone, e a Tiger Global Management tem uma participação de 7,1% nos papéis de classe B.

Os acionistas da Stone incluem ainda os sócios da 3G Capital Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira,

A Stone divulgou receita de US$ 164,9 milhões para os primeiros seis meses de 2018, quase o dobro de um ano antes. O lucro alcançou US$ 22,7 milhões no período, revertendo o prejuízo do primeiro semestre de 2017.

A PagSeguro, outra processadora brasileira de cartões de crédito que compete diretamente com a Stone, listou suas ações na Bolsa de Nova York (Nyse) em janeiro, movimentando US$ 1,1 bilhão.

E AINDA: Brasileira Stone Pagamentos planeja IPO em Nova York

Entre os principais rivais da Stone, também estão a Cielo, maior processadora de pagamentos do Brasil, First Data Corporation e Global Payments Inc, disse a empresa em documento.

Goldman Sachs, J.P. Morgan, e Citigroup coordenaram o IPO.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).