Colômbia tenta proibir Odebrecht de fechar contratos públicos

Getty Images
Construtora brasileira admitiu ter pago subornos no país

O governo colombiano pediu ao órgão regulador das empresas no país que proíba a construtora brasileira Odebrecht de fechar contratos públicos por 20 anos, depois que a empresa reconheceu o pagamento de propinas.

LEIA MAIS: Cade aprova venda da Logum pela Odebrecht e Camargo Corrêa

A petição ao regulador foi feita na noite de ontem (19) pela vice-presidente da Colômbia, Marta Lucia Ramirez, e Carlos Gomez, chefe da agência que supervisiona a defesa legal do Estado.

“Este é um dos piores ataques cometidos contra a moralidade do país, que causou sérios prejuízos nas finanças públicas e foi a fonte de sérios danos à ética pública”, disse a carta.

A Odebrecht não respondeu a um pedido de entrevista.

A Odebrecht está no centro do maior escândalo da corrupção da América Latina e reconheceu em 2016 que subornou autoridades em uma dezena de países.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, os subornos da Odebrecht na Colômbia totalizaram cerca de US$ 30 milhões. A Odebrecht admitiu ter pago os subornos.

VEJA TAMBÉM: TRF-4 mantém condenação de Marcelo Odebrecht

Quatorze pessoas envolvidas no escândalo da corrupção foram presas na Colômbia, incluindo um ex-senador e ex-ministro dos Transportes.

A Odebrecht, em parceria com uma empresa local, foi responsável pela construção de um trecho de 528 quilômetros de uma rodovia para o litoral caribenho, um contrato de mais de US$ 1 bilhão.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).