Conselho da Nissan se reúne para encerrar era Ghosn

Reuters
Por cinco anos, Ghosn teria declarado ganhar metade dos 10 bilhões de ienes (US$ 88,47 milhões) que de fato amealhava

O conselho da Nissan se reuniu hoje (22) no Japão para remover seu presidente, Carlos Ghosn, após a prisão do antes respeitado executivo, dando início a um período de incerteza para a aliança de 19 anos da montadora japonesa com a Renault. A parceria franco-japonesa, ampliada em 2016 para incluir a Mitsubishi , foi profundamente abalada pela prisão de Ghosn, na segunda-feira. O presidente do conselho de administração das montadoras e estrela da indústria é acusado de fraude.

LEIA MAIS: Tribunal de Tóquio mantém prisão de Ghosn por 10 dias

Ghosn moldou a aliança entre as duas montadoras e pressionava por uma integração mais profunda, incluindo uma potencial fusão completa entre a Renault e a Nissan a pedido do governo francês, apesar de fortes ressalvas da firma japonesa.

Procuradores japoneses disseram que Ghosn e o diretor-representante Greg Kelly, que também foi preso, conspiraram para declarar em valores menores a remuneração de Ghosn por cinco anos, a partir de 2010. Ghosn dizia ganhar metade dos 10 bilhões de ienes (US$ 88,47 milhões) que de fato amealhava.

A reunião do conselho da Nissan foi iniciada às 5h (horário de Brasília) desta quinta-feira em sua sede em Yokohama, e a companhia deve emitir um comunicado em seguida, disse uma autoridade graduada da Nissan a repórteres na quarta-feira. A fonte falou sob condição de anonimato, uma vez que os detalhes da reunião são confidenciais.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).